Contato

herbertlagocastelobranco@gmail.com
Facebook Herbert Lago

terça-feira, 30 de março de 2010

PT DO MARANHÃO NÃO TEM DONO: AGORA É DINO GOVERNADOR.




No último sábado dia 27 de março o PT do maranhão travou a sua maior disputa interna, contrariando a decisão do 4º Congresso Nacional e até mesmo o desejo de Roseana, que mostrava para o presidente Lula que tinha domínio sobre o PT do Maranhão.
Dando uma clara demonstração de que o PT não tem dono, 87 bravos companheiros petistas de verdade, em convenção estadual realizada no sábado passado, decidiram fazer alianças com o PC do B, apoiando a candidatura do Deputado Federal Flávio Dino ao governo do Estado, derrotando os pretenciosos petistas sarneyzistas.
A governadora tem consciência de que o prejuízo foi muito grande, pois ela sabe muito bem o quanto é importante o apoio do PT do Maranhão para liquidar as eleições logo no primeiro turno.
Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 29 de março de 2010

COMENTÁRIOS DO LEITOR


ligia disse...

Meu camarada Lago.

Só tenho a lamentar por esse povo cheio de historias, lutas e conquistas. Infelizmente a realidade é essa. Uma cidade engolida por sua própria desgraça, uma politica sem qualquer respeito, uma falta de vergonha total, nem sequer os pais, a família e os que acreditaram nela tem força pra desmentir aquilo que todos sabem, "eita mulherzinha safada e mentirosa". Quando a excelentíssima prefeita diz está em Brasília com o "Mágico" Bacelar atras de recursos para melhorar a qualidade de vida do chapadinhense, na verdade estão curtindo e se escondendo em uma das Fazendas do "magico". Para manter e comprar tais fazendas, haja dinheiro. Uma delas fica em Barra do Corda, essa todos conhecem, mas tem outra em Arame e uma outra adquirida recentemente no estado do Pará, exatamente na cidade de Redenção, valor 6 milhões de reais. Caros amigos da Chapada, o negocio é tão grande que para administrar tanto patrimônio, o encarregado das mesmas é o Pedro Alves, o filho do atual prefeito de Canaã dos Carajás, também enrolado Anuar Alves. Brevemente teremos mais informações, fotos, imagens e ate depoimentos de muitos podres dessa dupla de "artistas". A Danada e Magico. continua no próximo capitulo.

segunda-feira, 22 de março de 2010

UMA PROSA PARA OS CHAPADINHENSES




CHAPADINHA: 72 ANOS – FELIZ ANIVERSÁRIO!

No dia 29 de março, ocasião em que Chapadinha completa os seus 72 anos de emancipação, pode vir a aparecer (claro que para uma obrigação qualquer) um sanguessuga da cidade, com a famosa cara sorridente e mais pateticamente deslavada, manifestar-se pelo aniversário desta terra tão querida, falando “mil abobrinhas mal decoradas”.
A gente conversa com as pessoas pelas ruas da cidade e sente que as pessoas estão insatisfeitas não só pela incompetência das sucessivas administrações e pelos descasos que os “nossos” atuais governantes estão tendo para com a nossa cidade, mas pela falta de politicas públicas, pela buraqueira, pela falta de uma saúde pública de qualidade, pela falta de atenção às causas sociais, e sobretudo, pela falta de auto-estima do povo de Chapadinha; que vê a cada dia sua cidade abarrotada de problemas de urbanização, falta de saneamento básico, segurança, educação, saúde e tantos outros, muito comuns aos aglomerados urbanos habitados por populações de baixa renda que se expandem com sérias deficiências de planejamento e ação do poder público.
Não custa repetir e não me cansarei de fazê-lo: o Chapadinhense não pode mais viver ilhado em suas fantasias. Tem que descobrir que, ao contrário do que muita gente pensa, a periferia da cidade é habitada por pessoas que têm sua própria vida cultural e econômica, que não dependem das asas do poder para usufruir de um modo bem feliz de viver nesta cidade.
Quem sabe um dia, que não seja uma utopia e nem saudosismo, nós, Chapadinhenses, que amamos esta terra e o seu povo, nos pautaremos na coragem e boa vontade, típicas do povo desta terra de Deus, como sempre chamo, que supera todas e quaisquer adversidades que possam atrapalhar seu desenvolvimento, para que Chapadinha tenha educação, saúde de qualidade, infraestrutura, geração de emprego e renda para que as pessoas tenham uma melhor qualidade de vida. Porque o correto, ainda que mais difícil e mais demorado, está exatamente em exigir da classe política chapadinhense que assuma, de fato e de direito, as rédeas de seu efetivo poder de representação popular, que busque, – e há de encontrá-las! - As soluções que entenda necessárias e capazes de abolir os descasos e os sucessivos desgovernos.
O poder – sempre vale a pena ressaltar - emana do povo e em seu nome será exercido.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

terça-feira, 16 de março de 2010

FALTA DE CHUVA AMEAÇA ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM CHAPADINHA





Mesmo antes de a natureza emitir sinais de que o planeta terra acelerou o processo de mutação, talvez de degradação, como de velhos organismos que se tornem mais sujeitos as enfermidades, Chapadinha já padecia da escassez de água potável. Mesmo assim, todo ano as ameaças de abastecimento de água pela falta de chuva em nossa cidade é recorrente em função do baixo nível da barragem de Itamacaoca.
Todos nós sabemos que a barragem de Itamacaoca foi projetada para abastecer Chapadinha por 10 anos. Chapadinha cresceu muito e de lá para cá não houve a preocupação por parte de nossos Vereadores, Deputados nem tampouco ação dos incompetentes prefeitos em busca de investimentos para construir uma nova barragem ou para aumentar a capacidade da barragem de Itamacaoca.
Todos esses sinais exigem que os governantes adotem medidas de prevenção. Numa situação como essa, os cuidados devem ser redobrados, mas não é esse o comportamento dominante entre os políticos de Chapadinha.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quarta-feira, 10 de março de 2010

CLASSE MÉDIA NUM PAÍS INJUSTO


A população brasileira é, hoje, de 190 milhões de pessoas, divididas em classes segundo o poder aquisitivo. Pertencem às classes A e B as de renda mensal superior a R$ 4.807 — os ricos do Brasil. R$ 4.807 não é salário de dar tranquilidade financeira a ninguém. O aluguel de um apartamento de dois quartos na capital paulista consome metade desse valor. Mas, dentre os ricos, muitos recebem remunerações astronômicas, além de possuírem patrimônio invejável. Nas grandes empresas de São Paulo, o salário mensal de um diretor varia de R$ 40 mil a R$ 60 mil. Análise recente da Fundação Getúlio Vargas, divulgada em fevereiro último, revela que integram esse segmento privilegiado apenas 10,42% da população, ou seja, 19,4 milhões de pessoas. Elas concentram em mãos 44% da renda nacional. Muita riqueza para pouca gente. A classe C, conhecida como média, possui renda mensal de R$ 1.115 a R$ 4.807. Tem crescido nos últimos anos, graças à política econômica do governo Lula. Em 2003 abrangia 37,56% da população, num total de 64,1 milhões de brasileiros. Hoje, inclui 91 milhões — quase metade da população do país (49,22%) —, que detêm 46% da renda nacional. Na classe D — os pobres — estão 43 milhões de pessoas, com renda mensal de R$ 768 a R$ 1.115, obrigadas a dividir apenas 8% da riqueza nacional. E na classe E — os miseráveis, com renda até R$ 768/mês — se encontram 29,9 milhões de brasileiros (16,02% da população), condenados a repartir entre si apenas 2% da renda nacional. Embora a distribuição de renda no Brasil continue escandalosamente desigual, constata-se que o brasileiro, como diria La Fontaine, começa a ser mais formiga que cigarra. Graças às políticas sociais do governo, como Bolsa Família, aposentadorias e crédito consignado, há um nítido aumento de consumo. Porém, falta ao Bolsa Família encontrar, como frisa o economista Marcelo Néri, a porta de entrada no mercado formal de trabalho. Dos 91 milhões de brasileiros de classe média, 58,87% têm computador em casa; 57,04% frequentam escolas particulares; 46,25% fazem curso superior; 58,47% habitam casa própria. E um dado interessante: o aumento da renda familiar se deve ao ingresso de maior número de mulheres no mercado de trabalho. Já foi o tempo em que o homem trabalhava (patrimônio) e a mulher cuidava da casa (matrimônio). De 2003 a 2008, os salários das mulheres cresceram 37%. O dos homens, 24,6%, embora eles continuem a ser melhor remunerados do que elas. Segundo a Fundação Getulio Vargas, o governo Lula tirou da pobreza 19,3 milhões de brasileiros e alavancou outros 32 milhões para degraus superiores da escala social, inserindo-as nas classes A, B e C. Desde 2003, foram criados 8,5 milhões de empregos formais. É verdade que, a maioria, de baixa remuneração. No início dos anos 90, de nossas crianças de 7 a 14 anos, 15% estavam fora da escola. Hoje, são menos de 2,5%. O aumento da escolaridade facilita a inserção no mercado de trabalho, apesar de o Brasil padecer de ensino público de má qualidade e particular de alto custo. Quanto à educação, estão insatisfeitas com a sua qualidade 40% das pessoas com curso superior; 59% daquelas com ensino médio; 63% das com ensino fundamental; e 69% dos semi escolarizados (cf. “A classe média brasileira”, Amaury de Souza e Bolívar Lamounier, SP, Campus, 2010). A escola faz de conta que ensina, o aluno finge que aprende, os níveis de capacitação profissional e cultural são vergonhosos comparados aos de outros países emergentes. Quem dera que, no Brasil, houvesse tantas livrarias quanto farmácias! Hoje há mais consumo no país, o que os economistas chamam de forte demanda por bens e serviços. Processo, contudo, ameaçado pela instabilidade no emprego e o crescimento da inadimplência — a classe média tende a gastar mais do que ganha, atraída fortemente pela aquisição de produtos supérfluos que simbolizam ascensão social. A classe média ascendente aspira a ter seu próprio negócio. Porém, o empreendedorismo no Brasil é travado pela falta de crédito, conhecimento técnico e capacidade de gestão. E demasiadas exigências legais e trabalhistas, somadas à pesada carga tributária, multiplicam as falências de pequenas e médias empresas e dilatam o mercado informal de trabalho. Embora a classe média detenha em mãos poderoso capital político, ela tem dificuldade de se organizar, de criar redes sociais, estabelecer vínculos de solidariedade. Praticamente só se associa quando se trata de religião. E revela aversão à política, sobretudo devido à corrupção. Descrente na capacidade de o governo e o Judiciário combaterem a criminalidade e a corrupção, a classe média torna-se vulnerável aos “salvadores da pátria” — figuras caudilhescas que lhe prometam ação enérgica e punições impiedosas. Foi esse o caldo de cultura capaz de fomentar a ascensão de Hitler e Mussolini. Reduzir a desigualdade social, assegurar educação de qualidade a todos e aumentar o poder de organização e mobilização da sociedade civil, eis os maiores desafios do Brasil atual.

Frei Beto
Teólogo e Escritor

segunda-feira, 8 de março de 2010

DIA INTERNACIONAL DA MULHER



Que traz beleza e luz aos dias mais difíceis
Que divide sua alma em duas
Para carregar tamanha sensibilidade e força
Que ganha o mundo com sua coragem
Que traz paixão no olhar
Que luta pelos seus ideais,
Que dá a vida pela sua família.
Que ama incondicionalmente
Que se arruma, se perfuma
Que vence o cansaço.
Que chora e que ri
Mulher que sonha...
Tantas mulheres, belezas únicas, vivas
Cheias de mistérios e encanto!
Mulheres que deveriam ser lembradas,
Amadas, admiradas todos os dias...
Uma homenagem de:
Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 1 de março de 2010

A BONECA DE PANO QUE SONHAVA SER PREFEITA




CAPÍTULO II

Como diz o ditado popular: “quem nunca comeu mel quando come se lambuza”. E assim a prefeita bonequinha de pano que já não era feia, deu um trato em seu visual e ficou mais bonita ainda.
Cada vez mais falante nas rádios (aliás dizem que “microfone” é com ela mesma) tenta enganar toda população, se ausentando da cidade constantemente por longos dias (sabe-se lá para fazer o quê), levando a tiracolo o seu primeiro ministro, o malvado bruxo bigodudo, com pretexto de arranjar dinheiro em Brasília.
No decorrer de um ano de seu mandato, nada de dinheiro e a prefeita bonequinha de pano cada vez mais ausente. Os trabalhadores começaram a entrar em sucessivas greves, a saúde pública se deteriorando e a cidade cada vez mais cheia de buracos.
Achando não ter nada o que fazer na cidade, a bonequinha de pano virou desportista e foi consagrada madrinha do time de futebol da cidade.
Não demorou muito para que ela e o seu malvado bruxo bigodudo, presidente do time, fizesse mais uma lambança. Em uma importante partida de futebol, valendo a classificação do time para disputar a final do campeonato de seu estado, ela e o seu broxo bigodudo fizeram uma negociata com o time adversário fazendo com que seu time levasse uma goleada histórica de 11 X 0, placar jamais visto no futebol. O fato repercutiu negativamente nos principais jornais e telejornais do mundo inteiro, manchando a imagem da cidade, que de tanto descaso já está sendo chamada de DANUBURACO.
Leia aqui o capítulo I http://herbertlago.blogspot.com/2009/03/boneca-que-sonha-ser-prefeita.html
OBS: Esta é uma estória de ficção, qualquer semelhança é uma mera coincidência.
Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor