Contato

herbertlagocastelobranco@gmail.com
Facebook Herbert Lago

sábado, 4 de dezembro de 2010

PARAFRASEANDO BERTOLT BRECHT

Neste meu último artigo do ano postado aqui no A PROSA, não vou falar da gravíssima crise na rede de saúde pública de Chapadinha com a falta de médicos, enfermeiros, aparelhos, remédios, materiais, além da infra-estrutura deteriorada, nem das contas da saúde pública aprovada com ressalvas e com indícios de inúmeras irregularidades, de desvios de recursos públicos. Também não estou nem aí para o crak que já chegou a Chapadinha. Também não vou me abalar se Chapadinha está mal tratada, esburacada, mal iluminada, e se o mato está engolindo as flores. Se a rodoviária é pequena, o acesso a ela é complicado, não tem restaurantes e os lanches são poucos? Não é problema meu!
Da conclusão do ginásio poliesportivo, os tapas buracos da prefeita, a reforma e revitalização da Avenida Ataliba Viera de Almeida, promessa fantasmagórica da prefeita, que nunca termina.
Isso, aquilo e mais aquilo outros? Não sei, não quero saber, tenho raiva de quem sabe. Vou tirar férias e só volto no ano quem vem!
Feliz Natal a todos e um ano de muita paz, alegria e realizações!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

INTOLERÂNCIA É A VERDADEIRA PEQUENEZ DE MAGNO BACELAR




A internet é a tribuna mais livre já inventada pelo homem. Qualquer um pode subir no palanque virtual e bradar aos quatro ventos o que bem entender. E na montanha de informações, apare de tudo: conteúdo noticioso, de opinião e, claro, muita bobagem. Mas há quem aproveite a web para discutir, replicar conhecimentos e notícias. Entre os entusiastas dessa ferramenta, está o interligado blogosfera Antenor Ferreira.
Não bastassem os chatos que vivem querendo ensinar-lhe a escrever, agora Antenor vem sofrendo ameaças e ação processual requerente por Magno Bacelar na primeira vara da comarca de Chapadinha. Essa atitude repressora em relação às diferenças de opiniões e ideologias é apenas reflexo da intolerância da liberdade de imprensa que desgraçadamente insiste em se manter rondando nosso dia a dia.
Ora, o que o Antenor comenta e denuncia apenas reafirma seu direito de expressar-se em seu Blog Interligado para os seus leitores, sobre todo desmazelo da política de Chapadinha. Que, repito, vem sendo implementada há anos em nossa cidade.
Fica claro que, a intolerância é a verdadeira pequenez de Magno Bacelar. Ou como já disse o escritor dinamarquês Karl Popper, jamais devemos ser tolerantes com os intolerantes.

domingo, 21 de novembro de 2010

ETICAMENTE INJUSTIFICÁVEL






É inaceitável o Conselho Municipal de Saúde de Chapadinha assumir a defesa e a aprovação, mesmo que parcial, do relatório de gestão da saúde pública do exercício de 2009, já reprovado sob suspeita de inúmeras irregularidades, fraudes e malversação de recursos públicos indefensável pela falta de sustentação ética e moral.
A alegação de que a rejeição das prestações de contas poderá vir a acarretar prejuízos à população e afetar ainda mais o caótico sistema de saúde pública de Chapadinha é eticamente injustificável.
Cadê o Ministério Público de Chapadinha? Esses maus feitores já deveriam estar algemados e na cadeia. É inaceitável a impunidade! Ah, que saudade da Dra. Doracy.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

JUNTANDO OS CACOS




Procuro conservar-me otimista. A experiência sugere receber com reservas os nomes dos postulantes à liderança da tal terceira via, com vista às eleições municipais de 2012.
Antes mesmo de analisar as motivações individuais de cada candidato, de diversas colorações partidárias, cabe lembrar que os mesmo não têm até agora um projeto de consenso, nem tampouco uma plataforma de governo.
Os postulantes a terceira via têm que saber o que querem para Chapadinha. Portanto, é preciso questionar se possuem projetos ou se só possuem projetos de poder e de prestígio.
Descreio de palavras mágicas, valendo-se de promessas mirabolantes, com as quais se tenta iludir a realidade. Afinal, alguém já se perguntou sobre o significado para as pessoas comuns da vitória da terceira via? Quais os benefícios que poderiam alcançar os mais pobres ignorados pelo sistema de saúde, que não tem água tratada e canalizada, onde o sanitário é a fossa ou o arbusto, o sabonete, a escova dental e o papel higiênico são produtos de luxo, e a economia rasteja no terreno infecundo da subsistência? A bem da verdade é desnecessário ir tão longe para perceber-se que a miséria econômica e política não é problema restrito a Chapadinha. Mas sem dúvida, a política implementada há décadas em Chapadinha exala odor de carniça aos que nela chafurdam como abutres, que aqui agem sem serem incomodados.
Todo empenho deve ser feito para assegurar um novo caminho para Chapadinha e a efetividade das regras que impõem formas de procedimento dos candidatos. Não deixando de examinar os aspectos moralizantes de cada um e não abrir mão do seu casticismo de ideais pela conveniência de resultados eleitorais, juntando os cacos somente para inviabilizar a insaciável fome de poder ínsita no caráter das duas principais lideranças política de Chapadinha, Magno e Isaías.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

BATENDO O MARTELO POR UMA CRÍTICA SEM RODEIOS




Quem fez jornalismos durante a ditadura militar sabe o que é controle da imprensa. Mas ninguém precisa ter vivido aqueles tempos para saber o que significa essa mordaça.
A imprensa muitas vezes toma partido político e também erra, mas é bom deixar claro que já existe no Brasil uma legislação que pune veículos e jornalistas que cometem erros ou excessos. Até penas de prisão estão previstas. As indenizações por danos morais podem ser milionárias. Ou seja, quem quiser caluniar ou difamar, que se prepare para as consequência. O que não pode haver é o controle do conteúdo dos meios de comunicação pelo poder público, muito menos a censura prévia, seja ela imposta pelo Executivo ou pelo Judiciário. Regular conteúdo significa impor obrigações de conteúdo.
Não há mais como controlar quem exerce a atividade jornalística. Hoje, qualquer um pode criar um blog e publicar artigos, opiniões, ou sair falando o que bem quiser de todo mundo, inclusive em campanhas políticas.
O debate é bem vindo, não a imposição de verdades. Sou a favor da crítica sem rodeios.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

ECOS DO PRECONCEITO E DA ESTUPIDEZ

As declarações preconceituosas dada por uma estudante de Direito de São Paulo e postada em seu Twiter e microblog, causou polêmica nas redes sociais. A aluna atribuiu aos nordestinos a derrota do candidato José Serra (PSDB) nas eleições presidenciais. O embate regionalista tomou conta das discussões com reações imediatas contra a infeliz frase e também de comentários de moradores das regiões Sul e Sudeste.
“Nordestino (sic) não é gente. Faça um favor a São Paulo: mate um nordestino afogado!”, “Afunda Brasil. Deem direito de voto pros nordestinos e afundem o pais de quem trabalha para sustentar vagabundos que fazem filhos para ganhar o bolsa 171” postou a estudante.
As redes sociais são consideradas meios de comunicação. Qualquer informação ofensiva à honra ou preconceituosa é suscetível de apuração como qualquer outro veículo de comunicação. E de acordo com a legislação brasileira, crimes contra a procedência nacional preveem pena de até três anos.
Há um preconceito muito forte contra o Nordestino em estados das regiões Sul e Sudeste e constantemente nós Nordestinos somos obrigados a ouvir esses ecos do preconceito e da estupidez.
Essas pessoas deveriam procurar outras razões para a derrota do José Serra.
A polemica foi criada a partir de uma falsa ideia de que os votos da Região Nordeste teriam sido os responsáveis pela eleição de Dilma. Com base nos resultados divulgados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mostra que a candidata do PT venceria as eleições mesmo que fossem considerados apenas os votos das regiões Sul, Sudeste e Centro Oeste. No cenário em que os votos do Norte e Nordeste não são contabilizados, Dilma ficaria com 300 mil à frente do tucano José Serra.
Faço minha as palavras do escritor Ariano Suassuna. “Não troco meu oxente pelo OK de ninguém”.

sábado, 30 de outubro de 2010

NÃO APRENDI A DIZER ADEUS


Chapadinha amanheceu de luto! Partiu prematuramente o nosso companheiro AJ. Uma grande perda para Chapadinha e para o PT. É como se fosse mais uma estrêla que deixasse de brilhar.
AJ era um militante ativo em defesa das causas sociais. Que nos deixa um grande legado que é lutar incansavelmente por um Brasil mais justo socialmente.
Quando falai da instalação de uma Biblioteca em Chapadinha, AJ foi o primeiro a me hipotecar apoio, ressaltando sempre da importância para o nosso município de mais uma casa de cultura. Participando inclusive, da solenidade de inauguração da Biblioteca, no dia 13 de dezembro de 2007 (foto), juntamente com sua filha poetisa.
Por ainda não ter aprendido a dizer adeus. Até logo companheiro AJ! E a luta continua em sua memória.

E-MAIL DO LEITOR

Sr. Herbert Castelo Branco,

É simplesmente impressionante o acúmulo de lixo depositado em lugares impróprios à beira das vias de Chapadinha, desenhando uma imagem deprimente da cidade. É o simbólico reflexo da sujeira que se instalou na politica de Chapadinha.

Elizio Nilo

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O QUE SEMPRE FEZ A DIFERENÇA

O processo eleitoral em nosso país sempre foi marcado pela bipolaridade de programas/projetos, onde a direita hoje representada pelo PSDB/DEM E PPS, (este ultimo num processo de capitulação vergonhoso) sempre esteve alinhada aos interesses da classe dominante, programas eram desenvolvidos tendo como foco principal atender as elites e manter o status quo de mais de 500 anos de exploração da classe menos favorecida, mesmo nos momentos de domínio por estes setores conservadores a esquerda brasileira nunca se absteve de lutar em defesa de um país soberano e da política desenvolvimentista.

Foi assim em todos os momentos da historia do Brasil, quem estava no poder fazia de tudo para mantê-lo, práticas como compra de votos (a forma mais delituosa de vencer uma eleição) chantagens, ameaças... Era o que se via como ação permanente dos Srs.do poder, a esquerda brasileira tinha um desafio grandioso, levar ao povo a possibilidade de refletir sobre projetos/programas, tínhamos como objetivo central dessa luta elevar o nível de consciência de classe e mostrar que tínhamos uma alternativa viável para nosso país e para o povo brasileiro.

Foram anos incansáveis de lutas e no passar dos anos fomos mostrando que os projetos conservadores cada vez mais escravizava os menos favorecidos na medida que se entregava as riquezas brasileiras ao capital internacional, o Brasil não avançava, o povo era cerceado do mais primário direito de sobrevivência, enquanto os ricos engordavam suas contas bancarias e passavam férias em ilhas paradisíacas.

Foi assim por muitos e muitos anos, até que conseguimos mudar o curso da historia em 2002, quando elegemos um operário para a presidência e através dele podemos inverter a lógica perversa da exploração, foi dado ao povo mais pobre do Brasil a possibilidade de se viver dignamente, de alimentar-se três vezes por dia, de não vender sua mão de obra a qualquer preço, foi mostrado ao mundo inteiro que podíamos ser uma nação independente, isso sem nenhum revanchismo, onde os que realmente querem um Brasil forte tiveram espaço para atuar e também usufruir de um projeto político sem exclusão social.

Agora faltando poucos dias para o pleito eleitoral que definirá quem vai comandar os rumos do país, nos vemos de novo nesta disputa, o projeto das elites inconformado em ver os pobres usufruindo dos direitos a eles negados por mais de 500 anos, arma seu arsenal de mentiras, calunias, tenta de todas as formas confundirem o povo brasileiro com temas que não estão vinculados a políticas de estados, tentam de forma sórdida pautar elementos conservadores numa tentativa clara de voltar ao poder e restabelecer o projeto neoliberal que tantas mazelas trouxeram ao nosso povo.

É preciso recordar que em todas as lutas que travamos, tivemos ao nosso lado a vontade da mudança, a coragem de peitar os poderosos, apresentamos propostas voltadas para a maioria do povo, fizemos isso com homens e mulheres abnegados, que mesmo em condições adversas ousaram em levantar a voz contra os ditames autoritários da elite conservadora, foram jovens estudantes que nunca se negaram as lutas, foram os trabalhadores que se organizaram na trincheira da democracia e por ela lutaram de forma decisiva, foram as organizações sociais/políticas que construíram a esperança de dias melhores.

Agora é chegado a hora de fazer valer nossa luta, ao longo dos anos foi a militância que fez a diferença, que foi as ruas, as universidades, as fabricas, ...Que fez acreditar que era possível a mudança, que transformou a consciência política do nosso povo, que disputou voto a voto e que transformou o sonho em realidade, estamos num momento decisivo, numa batalha que está em jogo toda uma historia, nossos sonhos, o bem estar do nosso povo e a soberania de nosso Brasil.

Quero aqui convocar a todos a se fazerem presente nesta batalha, que sejamos a militância aguerrida que sempre fomos que façamos à disputa limpa, franca, mais que levemos ao povo brasileiro todos nossos testemunhos de que vale a pena lutar, vamos às ruas, vamos à luta companheiros/camaradas, vamos vencer a guerra final, vamos eleger Dilma presidente, afinal de contas, foi a militância que sempre fez a diferença e agora não será diferente.




quinta-feira, 7 de outubro de 2010

EXPRESSIVO NÚMERO DE ELEITORES DE CHAPADINHA REJEITARAM OS CANDIDATOS A DEPUTADO ESTADUAL DA CIDADE.




O resultado das eleições em Chapadinha também pode ser interpretada como um aviso aos candidatos de maior evidência. Um expressivo número de eleitores (8.973) rejeitaram os candidatos a Deputado Estadual da cidade e votaram em outros candidatos, significa igualmente que uma parcela considerável dos eleitores de Chapadinha está cansada da polarização Magno e Izaias que se arrasta há 10 anos.
Magno Bacelar está na defensiva, ainda aturdido por um resultado que não estava programado. Já a performance de Izamara Menezes superou as expectativas. Esperava-se que ela se saísse bem em Chapadinha, mas não que terminasse em primeiro lugar e causasse o estrago que trouxe a Magno Bacelar.
A política do pão e circo dos romanos nunca envelhece. Precisamos reescrever a história de Chapadinha, não mais como a cidade do vale tudo, em que mais vale aquele que dá alguma coisa, do que aquele que ensina alguma coisa.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

O DEBATE ELEITORAL EM CHAPADINHA FOI FOCADO NO PASSADO





Neste fim de semana o eleitor Chapadinhense irá às urnas sem ter visto uma discussão mais séria sobre o que os candidatos a Deputado Estadual por Chapadinha pensam fazer. Fomos obrigados a ouvir picuinhas dos postulantes candidatos e em momento algum vislumbrou-se uma discussão sobre temas de programa de governo ou busca de soluções para a saúde, educação, segurança e infraestrutura.
O futuro será incerto e tenebroso. O debate eleitoral em Chapadinha foi focado no passado. A verdade, porém, é que os candidatos a serem eleitos no próximo domingo, a Assembleia Legislativa, não irão mudar o passado, mas comandar o estado do Maranhão nos próximos quatro anos. É uma pena, portanto, que o eleitor Chapadinhense tenha de escolher sem saber o que eles pretendem fazer se vierem a ser eleitos.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

A MALHA DE ESTRADAS VICINAIS DE CHAPADINHA EXIGE INVESTIMENTOS


Chapadinha tem urgência de enfrentar grandes desafios de infraestrutura. A cidade, que tem uma boa perspectiva de crescimento, convive com gargalos que a impedem de avançar, entre eles, as estradas vicinais da zona rural do nosso município. Essas estradas precisam responder às necessidades de Chapadinha do século 21, algumas delas fazem parte de importantes corredores que integram o nosso município a outros municípios.
O escoamento da produção para a cidade e centros consumidores depende de estradas, porém apesar de terem a importância reconhecida por autoridades e a população em geral, as estradas vicinais que dão acesso ao interior de Chapadinha sofrem de incompreensível descaso. De tão velhas, as estradas cujo traçado envelheceu, precisam urgentemente ser recuperadas e reconstruídas antes do inicio das chuvas, tornando-as amigáveis para os veículos que necessitam transitar por elas, sem que haja danos, perda de tempo e de mercadorias.
Há que ampliar a malha, pois o desenvolvimento, que cada vez mais avança para o interior, exige mais e mais estradas.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

MAGNO JÁ ESTÁ ELEITO, VOTE EM EDMILSON CARNEIRO!




Com a proximidade das eleições de 3 de outubro é importante lembrar a importância do voto de cada eleitor para, juntos, transformarmos o Maranhão. A renovação na Câmara Legislativa é o primeiro passo dessa mudança. Renovar a politica no Maranhão é votar com consciência em candidatos que têm a ficha limpa e foram considerados aptos tanto pelo Tribunal Regional Eleitoral quanto pelo Tribunal Superior Eleitoral. Votar em candidato barrado pela Lei da Ficha Limpa é dar continuidade à bandalheira que tomou conta da politica do Maranhão e de Chapadinha.
O direito do voto é uma conquista cujo exercício consolida a democracia e a cidadania. Por isso, em 3 de outubro vamos começar a construir um novo caminho para o Maranhão e, consequentemente, para a nossa Chapadinha. Para tanto, é necessário que cada eleitor escolha candidatos com as melhores propostas para o Maranhão e para Chapadinha.
Para participar dessa transformação comece votando em Flávio Dino para Governador e Edmilson Carneiro para Deputado Estadual pelo Partido dos Trabalhadores (PT) número 13.678, porque o companheiro Edmilson é o melhor candidato a Deputado Estadual para representar Chapadinha na Câmara Legislativa do Maranhão; e com a sua influência política no futuro governo da presidenta Dilma Rousseff ele pode captar muitos recursos para o desenvolvimento de Chapadinha.


Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

VOTO CONSCIENTE




Aristóteles já dizia que “o homem é um animal político”. Se não houvesse a política, viveríamos numa anarquia geral, em que nada seria respeitado. Sem a política, viveríamos o caos em detrimento da paz e da ordem. Nas eleições, não se enoje da política, não se submeta ao desencanto, mas também não se iluda com o marketing que maqueia os políticos. Anular o voto é dar espaço à corrupção, à tirania: é rejeitar a democracia. Os detalhes da sua vida resultam da política que predomina no país: saúde, segurança, educação, salário, etc. Assim, votar é muito mais do que um ato de cidadania: é escolher o representante que cuidará dos problemas da comunidade em detrimento das suas e das nossas ambições individuais.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

PORTA-VOZES CAUSÍDICOS DE CANDIDATOS AMEAÇADOS PELA LEI DA FICHA LIMPA




Época de eleição época de desvarios. A razão costuma entrar em férias e a sensibilidade fica à flor da pele.
Pelo que tenho lido e ouvido a respeito da Lei da Ficha Limpa, confesso que estou apreensivo. O motivo de minha apreensão vem da desfaçatez com que se pronunciam porta-vozes, causídicos de candidatos ameaçados por ela.
Nos últimos dias, venho pensando em uma advertência: se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Será que essa lei, proposta sob as melhores intenções, perderia seu propósito e finalidade logo à primeira investida?

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

UM ACINTE, UMA PROVOCAÇÃO PÚBLICA!



”Em Chapadinha não temos uma Rodoviária decente, os Hospitais e o sistema de Saúde estão em péssimas condições, as estradas do interior estão ao capricho das chuvas e à influência do acaso, as infra-estruturas, o lixo, a entrada da cidade... uma vergonha! Há populações do interior a passar mal por causa das enchentes do ano passado e a seca deste ano. A agricultura está estagnada na tradição de cinco séculos. Há contas reprovadas no Tribunal de Contas e, no Conselho Comunitário de Saúde, o poder público tenta ludibriar a situação de protesto anulando atas, trocando pessoas, encomendando e pagando explicações jurídicas falsas para perpetuar gastos inexplicáveis. Chapadinha parece estância balnear onde algumas autoridades passam dias de férias todas as semanas. Nos últimos anos, o patrimônio público foi esquecido e o muito dinheiro que vem não confere com o pouco ou quase nenhum que se vê gastar na melhoria e desenvolvimento do Município. No entanto, na campanha política, estamos assistindo a luxuosas caravanas de carros com publicidade, a uma exibição exageradíssima de petulância, a uma demonstração de grandeza e opulência de alguém que se quer perpetuar no poder, mas ofende a situação de pobreza de muitas famílias. Enquanto a alguns dá vontade de chorar por tal comportamento público esquisito, esses senhores exibem cara sorridente e satisfeita. Tentam humilhar o povo simples com grandeza e riqueza que nos leva a pasmar e a indignar. Donde vem tanto dinheiro? Uma demonstração assim dá a impressão que quem a faz se sente inseguro, sabe que o povo não vai com ele e então usa o máximo de marketing. Como se pode pagar tantos grupos de apóio em tantos Municípios, satisfazer a ganância de políticos decadentes desejosos de transferir votos para quem bem lhos pagar, encomendar músicas que vão ser ouvidas até á chateação, enfeitar carros, pagar motoristas, comprar equipamentos de som, pagar aluguer de carros, gasolina, e ainda distribuir favores aos montes...? Mesmo que seja tudo isto fruto de dinheiro bem ganho (no que eu não acredito!) tanto exagero é irresponsabilidade, é acinte, é provocação pública, é falta de sensibilidade diante de tanta pobreza! Que moral poderá haver que fundamente a credibilidade do povo para dar votos a estes senhores e senhoras? Onde a competência para representar o povo, se o povo foi sempre esquecido e trocado por interesses individuais? Ai se um dia os pobres abrem os olhos! E, valha-nos Deus, porque ainda tem gente que gosta de ser enganada e explorada!”


FONTE: in Vida Nova - Boletim Formativo e Informativo da Paróquia de N. S. das Dores - Chapadinha // DIRETOR – Manuel Neves // DIRETOR-Adjunto – Pedro José; N°20 – 15/08/2010, p.4.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

"SAÚDE PÚBLICA DE CHAPADINHA RUMO A EXCELÊNCIA"




"O QUE DEVERIA SER CASO DE POLÍCIA VIROU EXEMPLO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA"
Más notícias viraram rotina na saúde pública de Chapadinha. O caos está disseminado e já não cabe a desculpa do estrangulamento do sistema pela demanda de moradores das cidades vizinhas. Essa é apenas parte do problema.
A escassez de remédio indispensáveis a portadores de doenças crônicas e toda sorte de carências (de leitos e profissionais a equipamentos e material de consumo) verificada na rede de hospitais e postos de saúde submetem o Chapadinhense, há anos, a sofrimento descomunal, vexaminoso. A simples marcação de uma consulta pode ser procedimento torturante. Pior quando a fila por atendimento termina com o paciente largado em agonia sobre uma maca, sem o tratamento adequado, privacidade, higiene ou qualquer sinal de civilidade ou humanidade.
Agora não surpreendem, pois, é inacreditável que, com esse cenário, “pesquisa” realizada nos 5.564 Municípios Brasileiros, a Secretária de Saúde Pública de Chapadinha Dra. Maria José Coutinho ficou entre os 100 melhores gestores em saúde pública do país e vai receber o prêmio “QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SAÚDE PÚBLICA”.
Como se vê, a saúde pública de Chapadinha que era caso de polícia virou excelência em qualidade.
Como não deve está a saúde pública nos 5.464 Municípios Brasileiros?

terça-feira, 17 de agosto de 2010

E-MAIL DO LEITOR



POLUIÇÃO SONORA
Causa-nos indignação a poluição sonora decorrente de shows realizados na praça do povo. A qualidade sonora é um dos presupostos essenciais para o direito fundamental ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, disposto no art. 225 da Constituição Federal e em outras normas legais. Os moradores das proximidades da praça, crianças, idosos, cardiopatas, portadores de necessidades e trabalhadores encontram-se diretamente afetados por shows de bandas naquele local, especialmente após as 22h.
Cleonice de Sousa Costa

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

LEI DO LIXO




Depois de 20 anos tramitando no Congresso Nacional, finalmente foi sancionada em 2 de agosto a lei que cria a Política Nacional de Resíduos Sólidos.O tema passou quase despercebido na agenda midiática nacional. Foi encoberto pelo desfecho das impugnações de candidaturas ao pleito eleitoral de 2010.Em tese, a nova legislação responsabiliza a sociedade pelo desfecho do lixo. Poder público, empresas privadas e os cidadãos passam a “gerenciar” os resíduos a partir da nova legislação.Um dos impactos será a extinção dos lixões, principalmente nas capitais e cidades médias, substituindo-os por aterros sanitários, num prazo de dois anos.Sem os lixões, a meta é acabar com a figura bisonha do catador de lixo e transformá-lo em trabalhador de materiais recicláveis.As novas denominações chegam à ponta da cadeia do lixo. Resíduo é tudo aquilo que pode ser reciclado ou reaproveitado. E rejeito é a escória imprestável.A lei obriga empresas de agrotóxicos a criar mecanismos de recolhimento das embalagens vazias, cujo efeito danoso ao meio ambiente prolonga-se mesmo após a utilização dos produtos.Pelo exposto, percebe-se uma legislação de primeiro mundo para o Brasil, onde a prática mais comum (do pobre à classe média) é jogar lixo pelas janelas dos carros e dos ônibus em qualquer rua.

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

ESTÁ NA HORA DE PENSAR NOS 100 ANOS DE CHAPADINHA, OLHANDO PARA 2038.




AS MUDANÇAS TÊM DE SURGIR A PARTIR DE AGORA. O CAMINHO É LONGO E ESSE TIPO DE TRANSFORMAÇÃO NÃO SE FAZ DE UMA HORA PARA OUTRA.

Está na hora de pensar nos 100 anos de Chapadinha. Tudo depende das ações postas em prática hoje pelos governantes e pela população.
O projeto Chapadinha 100 anos é um planejamento estratégico elencando os principais problemas enfrentados pelo Chapadinhense. Se nenhuma providência for tomada no futuro próximo, Chapadinha sofrerá ainda mais com a desigualdade social, superpopulação e desemprego quando estiver prestes a completar 100 anos. Como será o sistema de saúde, o trânsito, a segurança pública, a educação, o abastecimento de água e o meio ambiente nessa época? Essas questões devem ser planejadas a partir de hoje.
Entre as principais preocupações para os próximos 28 anos estão a desigualdade social, as condições de trabalho e a geração de renda da população. Faltam oportunidades na nossa cidade. Hoje, vemos uma juventude esquizofrênica, que não trabalha e não vai à escola.
O cuidado com o meio ambiente também preocupa. A chapada ou cerrado maranhense é o bioma que mais sofre com a ação humana. Um dos principais sinais desse descuido são as queimadas e o desmatamento descontrolado para o plantio de soja.
As mudanças têm que surgir a partir de agora, o caminho é longo e esse tipo de transformação não se faz de uma hora para outra.
Pressões demográficas incrementam a desigualdade social, aumentam a violência e sobrecarregam o sistema de saúde, a educação, a segurança e o abastecimento de água potável .
Essa iniciativa ou projeto deve ser dividida em etapas. A primeira é olhar para 2038 quando Chapadinha completará 100 anos e definir quais as tendências e o que a população espera do futuro, e então traçar quais atitudes que deverão ser adotadas hoje para se alcançar os resultados esperados. A urgência é absoluta!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

OBRAS PRECISAM SER CONCLUÍDAS




Certas datas viram marco. Emblemáticas, tornam-se referência para iniciar ou concluir ações que suscitam grandes expectativas. É o caso da reforma na entrada de Chapadinha e das Avenidas Ataliba Vieira de Almeida e Presidente Kennedy.
Passados um ano e sete meses de mandato da gestão “CONTINUIDADE E DESENVOLVIMENTO” e não se tem uma perspectiva de bater o ponto final. Caso mais gritante é a pavimentação da entrada de Chapadinha e a Avenida Ataliba Vieira. Apesar de estratégia, a obra engatinha. A falta de conclusão causa transtornos, acidentes, estresse e constituem prova de descaso.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

LUGAR DE LIXO É NA LIXEIRA!




A falta de educação também costuma chocar a gente. Flaguei uma motorista jogando uma garrafa plástica no chão, antes de entrar em um carro de luxo, na porta de uma loja no centro de Chapadinha. Cheguei perto, peguei a garrafa e joguei na lixeira que estava bem próximo. A mulher ficou sem graça. Uma criança que estava com ela comentou algo, mas eu não escutei. Penso que deve ter ficado chocada também.
Atualmente as crianças são as que mais têm essa consciência . E cobram dos pais, demonstrado preocupação com a questão. Com frequência, escolas das redes públicas e privada fazem trabalhos de conscientização com os pequenos para evitar que se transformem em adultos mal-educados como essa senhora.
Os pontos de alagamentos, inundações e o acúmulo de água da chuva provoca verdadeiras enchentes nas cidades.
A limpeza frequente das praças e ruas miniminiza o problema, mas não resolve definitivamente. É preciso que a população tenha mais consciência, caia em si e pare de jogar lixo nas praças e ruas.

terça-feira, 20 de julho de 2010

COLÉGIO O PEQUENO PRÍNCIPE DE CHAPADINHA FIGURA ENTRE AS VINTE MELHORES ESCOLAS DO MARANHÃO





A divulgação do ranking das escolas mais bem avaliadas no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) não traz grandes novidades, mas ensina lições. O título de melhores instituições continua em mãos da iniciativa privada. Entre as 20 melhores escolas do Estado do Maranhão – redes privadas e públicas apenas 4 são públicas federais. Entre as 20 melhores figura na lista em 17ª colocação com média de 638,06 o Colégio Pequeno Príncipe de Chapadinha. Vale a questão: que lições ensinadas pelo Colégio Pequeno Príncipe poderiam ser expandidas para o ensino público de Chapadinha?

Isso muito nos orgulha e por isso quero parabenizar a Diretoria do Pequeno Príncipe e todo corpo docente da escola.

As 20 melhores escolas do Maranhão - redes privada e pública:


1º – São Luís (privada) – Centro Educacional Montessoriano – Média (693,37)2º – São Luís (privada) – Jardim Escola Crescimento – Média (692,29)3º – São Luís (privada) – Educator – Média (683,92)4º – São Luís (federal) – Instituto Federal de Educação CIE – Média (677,47)5º – São Luís (federal) -Instituto Federal de Educação CIE (EJA) – Média (672,71)6º – São Luís (privada) – Dom Bosto – Média (663,04)7º – São Luís (privada) – Santa Teresa – Média (661,39)8º – São Luís (privada) – Upaon-Açu – Média (660,42)9º – São Luís (privada) – Dom Pedro II – Média (660,17)10º- São Luís (privada) – Literato – Média (653,3)11º- Imperatriz (privada) – Adventista – Média (646,71)12º- São Luís (privada) – Bom Pastor – Média (645,53)13º- São José de Ribamar (privada) – Marista Araçagy – Média (645,16)14º- Imperatriz (federal) – Cefet – Média (642),5715º- Imperatriz (federal) – Cefet (EJA) – Média (640,52)16º- Imperatriz (privada) – Dom Bosco – Média (639,09)17º- Chapadinha (privada) – O Pequeno Príncipe – Média (638,06)18º- Codó (privada) – Olympus-Yesi – Média (637,25)19º- Imperatriz (privada) – Santa Teresinha – Média (635,7)20º- São Luís (privada) – Pitágoras – Média (634,4).

quinta-feira, 15 de julho de 2010

ROSEANA SARNEY E JACKSON LAGO TEM CANDIDATURAS AMEAÇADAS E PRECISAM DO AVAL DA JUSTIÇA PARA DISPUTAR AS ELEIÇÕES.



Se depender dos procuradores eleitorais, a lista de candidatos que disputam cargos majoritários este ano pode mudar radicalmente.
Com base na Lei da Ficha Limpa e também devido à falta de documentação na hora de registro, foram impugnadas as candidaturas dos principais concorrentes ao governo do Maranhão.
Se a decisão da Justiça Eleitoral nas impugnações for mantida, o caminho do deputado federal Flávio Dino (PCdoB) para chegar ao Palácio dos Leões ficará mais fácil, pois restaram intactos apenas o seu registro e o candidato do PSTU, Marcos Silva. Jackson Lago (PDT) e Roseana Sarney (PMDB) terão que se defender da impugnação.

terça-feira, 13 de julho de 2010

NÃO IMPORTA O CUSTO DA AVENTURA, O QUE VALE É GANHAR.




As eleições deste ano no Maranhão exibem senário de estranho paradoxismo. As candidaturas e alianças formalizadas perante a Justiça Eleitoral apresentam características inusitadas. Algo jamais visto na história dos pleitos eleitorais no Estado do Maranhão. Misturam-se gostos, sabores e estilos num mesmo balaio. O pragmatismo do voto deve ter orientado a bússola dos coligados. A heterogeneidade no processo se explica pelo ânimo utilitarista que os une. É comunhão de meios para alcançar o fim. Não importa o custo da aventura, o que vale é ganhar. O preço a ser pago é a vitória.
Duas principais coligações vão disputar as eleições deste ano no Maranhão. Ambas procuraram unir o útil ao agradável. Reuniram no mesmo cortejo gente de matizes variados. Uma delas abril mão do casticismo de ideias pela conveniência de resultados.
Virou assim um misto de tendências indefinidas. As outras candidaturas, interpostas a essas, não assustam os concorrentes. Perdem-se à sombra dos grandes. É esse arsenal de postulantes que o eleitor terá de arrebatar os preferidos. Não há como fugir da imposição

segunda-feira, 12 de julho de 2010

E-MAIL DO LEITOR


Amigo Herbert,

Digo amigo porque estudei o 1º ano ginasial com você no Manoel Vieira Passos em 1972. Lembra da Dorinha do Areal? Pois é, sou eu mesma.
Excelente as suas matérias postadas nesta sua coluna ou melhor dizendo no seu Blog A PROSA. Você tece perfeitos comentários acerca de vários temas como: trânsito, infraestrutura, política, meio ambiente e etc. De fato, a cidade vem se desenvolvendo e as estruturas se precarizando. Calçadas mal ou nunca construídas, remendos mal feitos, saúde pública inexistente, falta de habilidade de alguns motoristas. É esse o retrato de Chapadinha. Revela também o desleixo, o descaso, o desinteresse, a omissão, a pouca vergonha e, por que não dizer, a cara de pau dos nossos governantes, que, embora a gente veja os recursos sendo repassados, alegam, repetidamente, que não há recursos suficiente para melhorar a saúde pública, para conclusão das obras ou benfeitorias. Trata-se de puro desrespeito a todos nós. Cansamos de tanta conversa fiada ao longo de todos esses anos. Não tratam dos problemas como a situação exige: como responsabilidade e determinação.
Maria das Dores Correira de Souza (Dorinha)

terça-feira, 6 de julho de 2010

EX-PREFEITOS FICHAS SUJAS DRIBLAM A JUSTIÇA




À frente de suas prefeituras, muitos administradores se aproveitaram do cargo e da prerrogativa do foro privilegiado — vencida em 31 de dezembro de 2008, com o fim dos mandatos — para se livrarem das acusações de crimes ambientais, estelionato, contas irregulares, pedofilia e, em grande quantidade, de envolvimento com o trabalho escravo. Esses ex-prefeitos voltaram a responder às acusações na primeira instância do Judiciário. Um deles é o ex-prefeito de Chapadinha, Magno Bacelar, que também é ficha suja e só conseguiu registrar a sua candidatura graças a uma liminar pedindo efeito suspensivo à condenação por contas irregulares e crime de responsabilidade.
Alguns dos ex-prefeitos investigados aparecem nas listas ao lado dos nomes de empresários e pessoas físicas que exploram o trabalho escravo em suas fazendas. As relações são elaboradas pelo Ministério do Trabalho e Emprego. Pelo menos cinco deles tentaram se aproveitar do foro privilegiado para se livrar das acusações de exploração do trabalho escravo feitas pela polícia e pelo Ministério Público.
Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 5 de julho de 2010

E-MAIL DO LEITOR




Prezado poeta Herbert Castelo Branco

É mais do que evidente o descaso com a situação do asfalto nas principais vias públicas de Chapadinha. A recuperação foi prometida em campanha, e pouco depois de assumir o cargo a prefeita disse em entrevista no rádio que transformaria as vias públicas de Chapadinha em um tapete.
Placas anunciando a obra já foram colocadas há mais de seis meses e até agora, nada de conclusão e algumas já cairam no esquecimento. Dos responsáveis pela obra, gostaríamos de saber se sai ou não sai. E se for demorar mais ainda, sugiro que sejam retiradas as placas de propaganda que estão caidas no chão e atualizar o prazo de entrega das outras obras.
Chapadinha merece melhor tratamento do que aquele que tem recebido por parte do poder público. Os motoristas, motociclistas e ciclistas, por uma questão de segurança, merecem vias de melhor qualidade asfáltica, pois hoje mais parecem andar sobre uma britadeira.

Herivelto Carvalho de Lima

segunda-feira, 28 de junho de 2010

VALORES QUE CONSTROEM A CIDADE




A cidade se articula, basicamente, em sociedade civil (poder popular) e sociedade política (poder público). Na sua forma mais expressiva de cidadania, a sociedade civil atua por meio de movimentos sociais, organizações da sociedade civil que pressionam a sociedade política (Estado e instituições afins) visando à defesa e/ou conquista de direitos (humanos, civis, políticos, econômicos, ecológicos etc.). Há movimentos sociais espontâneos e efêmeros (o recente protesto de jovens da periferia francesa contra o consumismo, com a queima de carros), bem como os que se prolongam no tempo e adquirem formas distintas para reivindicar um único direito, como a isonomia das mulheres em relação aos homens (são exemplos a peça Lisístrata, do grego Aristófanes, nascido no século 5 a.C., e o movimento feminista da segunda metade do século 20). A organização da sociedade em movimentos sociais é inerente à sua estrutura de poder. O teatro teve na Grécia antiga o papel político de dotar a população de razão crítica por intermédio de uma expressão estética, como o comprova a obra de Sófocles: Antígona desafia Creonte (a consciência do indivíduo calcada na justiça perante a legalidade do poder respaldada na tradição). Os movimentos sociais adquirem, ao longo da história, distintas expressões: estética, religiosa, econômica, ecológica etc. A partir do século um, o Império Romano teve suas bases solapadas por um movimento social de caráter religioso — o Cristianismo —, que se recusou a reconhecer a divindade de César e propalou a radical dignidade de todo ser humano, chamado à comunhão de amor com os semelhantes e com Deus, segundo a mensagem proferida por uma vítima do Império — Jesus de Nazaré —, em quem os adeptos da nova fé reconheciam a presença de Deus na Terra. Desde a Revolução Francesa, a sociedade civil passou a se mobilizar mais frequentemente em movimentos sociais. Porém, é recente a noção de que a sociedade civil deve se organizar para pressionar o poder público, e não necessariamente para almejar também a tomada do poder. Isso ensejou o caráter multifacetado dos movimentos — indígenas, negros, mulheres, migrantes, homossexuais etc. — e o fato de constituírem instâncias políticas nem sempre partidárias. Essa laicização dos movimentos sociais é que permitiu alcançarem autonomia em relação às instâncias de poder — político, religioso, econômico etc. — e, ao mesmo tempo, despontarem como forças de alteridade perante o poder institucionalizado. É o fenômeno recente do empoderamento da sociedade civil que, quanto mais forte, mais logra transmutar a democracia meramente representativa em democracia efetivamente participativa. Essa participação tem hoje, no Brasil, expressões efetivas na construção da cidade, como o orçamento participativo. Foi no fim da década de 1970 que se iniciou a experiência do orçamento participativo, em que a população debate e decide a aplicação dos recursos públicos. Os municípios pioneiros foram Lajes (SC), a partir de 1978; Boa Esperança (ES), 1982; Diadema (SP), 1983; e Vila Velha (ES), 1986. A mais duradoura, entretanto, foi a de Porto Alegre, que se projetou nacional e internacionalmente como nova metodologia de gestão pública participativa. Segundo o Fórum Nacional de Participação Popular, entre 1997 e 2004 já haviam adotado o orçamento participativo 103 municípios brasileiros. Em Ipatinga (MG), município de cerca de 220 mil habitantes, criaram-se conselhos regionais, representados no Conselho Municipal do Orçamento, integrado por prefeito, vice-prefeito, secretários, vereadores, representantes das associações de moradores e outras entidades não governamentais. São as associações de moradores que configuram a capilaridade do orçamento participativo, recolhendo as reivindicações dos moradores e mobilizando-os em busca da conquista de suas aspirações. Representadas nos conselhos regionais, elas tecem a rede da democracia participativa. As atribuições do conselho compreendiam tanto a definição das obras a serem realizadas no município quanto o acompanhamento de seu andamento, incluindo a fiscalização da execução orçamentária. E, anualmente, realizava-se o Congresso Municipal de Prioridades Orçamentárias (Compor), com a participação de mais de 5 mil pessoas. Com acesso à informática, hoje em muitos municípios, como ocorreu em Belo Horizonte, a indicação de prioridades é feita por votação eletrônica. O ideal seria prover todas as escolas municipais de laboratórios de informática, que funcionariam inclusive nos fins de semana, atraindo a população jovem e adulta, dentro de um projeto mais abrangente de inclusão digital. Ao fomentar o surgimento de novas lideranças populares, o orçamento participativo deve se equipar de instrumentos como o Disque-Câmara e o Disque-Prefeitura, de modo que os cidadãos possam interferir diretamente na qualidade dos serviços públicos. Por sua estrutura democrática, o orçamento participativo permite aos mais pobres interferir na escolha de prioridades e fazer com que eles deixem a secular condição de excluídos dos serviços públicos. É, pois, uma ferramenta privilegiada de construção de democracia participativa.

FREI BETTO – Escritor e Teólogo

terça-feira, 22 de junho de 2010

O PT VIROU REFÉM DO PMDB E DO SARNEY




O PT há tempos já vem sangrando e há um sentimento de profunda frustração que toma conta de muita gente dentro do partido.
No Maranhão, por exemplo, por conta da aliança nacional, o comando nacional petista desfez a aliança PT/PCdoB com Flávio Dino para Governador, deliberada pela instância máxima do partido no estado, no dia 26 de março passado e obrigou o partido a seguir com Roseana Sarney (PMDB), candidata à reeleição. O desgaste veio a cavalo com a greve de fome do deputado federal Domingos Dutra e do líder camponês Manoel da Conceição.
Os petistas se sentem como aquele sujeito que construiu uma mansão sozinho, mas agora é obrigado a entregar a casa à amante, o PMDB. Que cada vez mais ocupa a casa e manda na empregada. Se agora está assim, imagine depois de outubro.
Um partido refém do Sarney e do PMDB pode ser dos trabalhadores? Para muitos petistas, a resposta é não, embora, às vésperas da eleição, muitos não tenham coragem de assumir isso publicamente.
Vejo a candidatura de Flávio Dino como a melhor alternativa para o Maranhão. É uma candidatura que tem todo o potencial para ser abraçada pelo povo do Maranhão e fazer a diferença no processo eleitoral.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quinta-feira, 17 de junho de 2010

ACIDENTE DE TRÂNSITO EM CHAPADINHA É AGRAVADO PELA IMPRUDÊNCIA



Os ciclistas de Chapadinha enfrentam dificuldades e perigos constantes para não abandonar o saudável hábito das pedaladas e pela suposta necessidade de se locomover. Por onde anda o CIRETRAN desta cidade? Parece que Chapadinha virou terra sem lei, os carros param onde querem: em cima das calçadas, em locais proibidos; motociclistas andam sem jaqueta e sem capacete.
A falta de educação e respeito dos motoristas que, protegidos por uma tonelada de lata, se esquecem do mundo em volta. Mas o problema não é só a falta de educação e respeito dos motoristas e motociclistas, mas também dos próprios ciclistas que desconhecem ou ignoram as leis de trânsito, que nunca chegam a eles como deveria.
Cabe ao poder público as ações baseadas no plano diretor cicloviário de Chapadinha, sinalizar bem as ruas e adaptar ciclofaixas, mantendo distância de mais ou menos um metro dos meios fios, calçadas ou canaletas, além, é claro, de realizar campanhas educativas de conscientização.
Os acidentes de trânsito não acontecem somente nas vias públicas de Chapadinha. Na zona rural também temos visto com frequência acidentes, geralmente com vitimas fatais. O caso mais recente ocorreu no dia 11 de junho com o jovem Maroni Farias, de 32 anos. Ele dirigia uma moto, quando colidiu de frente com um carro próximo a localidade Alagadiço Grande, vindo a falecer.
Mas enquanto o problema não é resolvido, um pouco de ordem, por parte do CIRETRAN, não faz mal a ninguém.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 14 de junho de 2010

A OCUPAÇÃO URBANA SEM CONTROLE E O DESMATAMENTO PARA O AGRONEGÓCIO AMEAÇAM AS BACIAS DE ÁGUA DE CHAPADINHA



O problema de abastecimento de água em Chapadinha não é ocasionado somente pela escassez da chuva. A intensa expansão urbana dos últimos anos e o desmatamento irregular da chapada pelo agronegócio sulista na região de Chapadinha, autorizado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, está gerando consequências graves para o meio ambiente, comprometendo as microbacias de água que abastece nossa cidade, apresentando índice inferior ao necessário para utilização no abastecimento, chegando-se ao limite da relação entre o consumo e a produção de água.
Liberada para o plantio de soja, a chapada maranhense, um dos ecossistemas mais preciosos, está ameaçada pelo desmatamento e vai se transformar num deserto. A soja domina, o bacurizeiro, que é conhecido com orgulho como o simbolo da chapada, está desaparecendo, um complexo sistema de drenagem com diversas nascentes de riachos no alto da chapada estão secando.
Todos tem direito a ter uma casa, mas a proliferação de residências em locais impróprios também tem sido um desastre do ponto de vista ambiental.
Até agora nem o IBAMA e nem tampouco os órgãos estaduais e municipais, tomaram qualquer providência relacionada à ocupação desordenada e à destruição das encostas das nascentes d'água, bem como a derrubada indiscriminada de palmeiras, bacurizeiros, piquizeiros e as queimadas no município.
Deus e os homens podem prever o que acontecerá com o serrado maranhense.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

sexta-feira, 11 de junho de 2010

FLÁVIO DINO: "NÃO HÁ MOTIVOS PARA APOIAR ROSEANA"




Em discurso na Câmara dos Deputados no fim da tarde de quinta-feira, 10, o deputado federal e pré-candidato ao governo do Maranhão, Flávio Dino, afirmou que não há motivos jurídicos e nem políticos para que o Diretório Nacional do PT intervenha no resultado alcançado democraticamente pela instância estadual da legenda.
Segundo analisou Flávio Dino, não há motivo jurídico para a intervenção. Para isso, seria necessário a constatação da ilegalidade na realização dos encontro de tática eleitoral no Maranhão. Não haveria, também, motivo político, uma vez que todos os partidos que compõem a chapa majoritária encabeçada por Flávio Dino também compõem a base do presidente Lula e da pré-candidata à Presidência da República, Dilma Roussef. “Não é, portanto, uma aliança contrária ao plano nacional. Na verdade, é uma aliança que possibilita a realização do plano nacional no Maranhão”, explicou Flávio Dino.
O mesmo, porém, não se verifica na outra aliança proposta ao PT marahense: na chapa até agora sugerida pela atual governadora Roseana Sarney (PMDB), constam partidos que são opostos a Lula, como o PV, que apoia Marina Silva, ou o DEM, que apoia José Serra. “Se o PT apoiar a Roseana Sarney, aí sim estará sendo incoerente”, analisou o pré-candidato Flávio Dino.

Vigília
Militantes do PT maranhense e integrantes de movimentos sociais passaram a quinta-feira e a madrugada da sexta=feira em vigília na sede do PT em São Luís. O ato político teve eco nos outros três maiores diretórios do Estado: Imperatriz, Caxias e Bacabal. Os petistas acenderam velas e estenderam a bandeira do PT no chão.
Desde a quinta-feira, o deputado federal Domingos Dutra (PT) está na Câmara, em Brasília, onde deverá iniciar greve de fome em protesto contra a possibilidade de intervenção nacional. A ex-deputada petistaTerezinha Fernandes, vice-governadora na chapa composta pelos três partidos, também já avisou que aderirá ao movimento, caso haja a intervenção. O líder camponês Manoel da Conceição,de 75 anos, um dos fundadores da legenda, também já informou que pode aderir ao protesto. Eles estão acompanhando a situação em Brasília desde a quinta-feira.
Fundado em 1922, é a primeira vez que o PcdoB tem um candidato ao governo de um estado Brasileiro. A candidatura é considerada um marco histórico para o partido. A aliança entre PT, PcdoB e PSB foi decidida democraticamente durante o encontro de tática eleitoral realizado nos dias 26 e 27 de março. Por 87 votos a 85, os petitas decidiram rejeitar a aliança com o PMDB e coligar com PcdoB e PSB.

Redação: Assessoria de Comunicação Flávio Dino

quinta-feira, 10 de junho de 2010

E-MAIL DO LEITOR


Sr. Herbert Lago,

Parabéns pelo seu blog. Ele é diversificado em relação aos outros blog's de Chapadinha.
Com relação ao artigo “O RALO GROSSO POR ONDE PASSA UMA PARTE DA BANDALHEIRA DA POLÍTICA DE CHAPADINHA”, não é nenhuma novidade, mas a regra do jogo aqui é fingir inocência sempre que se revela alguma coisa do mundo escondido da administração pública. Quando alguém levanta o tapete e mostra algo feio, é essencial fazer cara de paisagem e se mostrar surpreso.
Quando acontece delas serem expostas à luz do dia, a sociedade só resta ficar chocada. Muitas vezes, nem acredita que é dessa maneira que o sistema politico funciona. Lamentavelmente, no entanto, a verdade é que é assim mesmo e não vai dar em nada.

César Augusto de Almeida Reis

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O RALO GROSSO POR ONDE PASSA UMA PARTE DA BANDALHEIRA DA POLÍTICA DE CHAPADINHA




A disputa entre os dois maiores grupos políticos de Chapadinha, que deveria ser a de servir melhor à sociedade, virou uma concorrência de quem faz pior. Um aponta o dedo para a cara do outro para dizer quem tem mais mazelas no currículo. Se um é acusado de algo, remete ao outro problema maior. “Se eu fiz, fulano fez pior.” É o velho artifício da acusação para se defender. Se um está com o pé na lama, em reação a denúncias, acusa um outro de estar inteiro afogado nela. Desde quando apresentar denúncia contra concorrente inocenta algum político?
O mais grave no entanto são as consequências do derrame do dinheiro, escoado para o bolso dos apaniguados políticos, há mais de duas décadas. Foram milhões e milhões – quem poderá dizer ao certo?
Pelo que foi apontado no relatório do Conselho Municipal de Saúde de Chapadinha, estão sob suspeita contratos, gastos com projetos fictícios, superfaturamentos e desperdícios que compõem o ralo grosso por onde passa uma parte da bandalheira da política local.
O vídeo divulgado por alguns Blogueiros de Chapadinha, onde a Secretária de Saúde Dra. Coutinho afirma em seu desabafo: “...em Chapadinha tudo tá errado. Ki tem roubo tem! Ki tem roubo tem!” é uma prova cabal de desvios de recursos públicos que poderiam ter sido investidos na saúde pública do nosso município. Portanto, resta-nos a torcida e a fiscalização para que este caso não caia no esquecimento e as investigações não parem.
Nesse período pré-eleitoral, em que as temperaturas nos bastidores das campanhas estão subindo junto com a oscilação das pesquisas de opinião, é o momento de o eleitorado demonstrar o que quer ouvir. Queremos propostas, soluções e não podemos esquecer do debate de ideias, plataformas e compromissos de governo.
O certo é que, a hegemonia dos dois maiores grupos políticos de Chapadinha está sufocada por vícios e deficiências que contribuem para o atraso e os desmandos, sem punição, que vemos hoje em nossa cidade.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 31 de maio de 2010

REI MIDAS DE CHAPADINHA




A prefeita de Chapadinha Danúbia Carneiro é uma espécie de Rei Midas ao contrário. Tudo o que ela toca vira porcaria. Sua incompetência é gritante! Quem tem a má-sorte de precisar de serviços do Município sofre. Nos hospitais a vida não vale nada, nas escolas a ignorância se multiplica, a infraestrutura da cidade está caindo aos pedaços, trânsito complicado, semáforo que não funciona a contento, ruas sujas, obras inacabadas e etc. Sabemos que essas obras exigem um pouco de compreensão e paciência de nossa parte, mas não justifica a péssima qualidade dos serviços, do material utilizado e esse enorme transtorno. Além disso, a prefeita e os órgãos competentes do município fecham os olhos para os crimes ecológicos e ambientais realizados em nosso município. Por onde andam as autoridades que não veem o monstro do assoreamento agindo dia a dia no maior patrimônio da nossa cidade, que são as nossas nascentes?
O setor público do município atrapalha o desenvolvimento da cidade. Não se trata do velho argumento liberal de que todo governo é ruim e quanto menos dele, melhor. A gestão é que não presta mesmo! A má gestão virou problema estrutural. A prefeitura gasta cada vez mais e pior.
Também pudera, politico honesto e, ao mesmo tempo, competente em Chapadinha é artigo raro.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quarta-feira, 26 de maio de 2010

PODERIA SER CÔMICO, SE NÃO FOSSE TÃO IRÔNICO!




Poderia ser cômico, se não fosse tão irônico! É isso mesmo. Ver a governadora Roseana Sarney vestida com a camisa do partido dos trabalhadores com a estrela do PT estampada no seu peito, é sem dúvida uma idiossincrasia!
Todos sabem que é uma questão de honra para José Sarney reeleger sua filha e por isso faz de tudo para ter o PT na chapa de Roseana, pois, o que mais teme a família Sarney é um segundo turno com Jackson Lago.
Ilário também foi a visita da governadora em Chapadinha nos dias 20 e 21 de maio, que, do ponto de vista político foi absolutamente infrutífera, mas serviu para agradar e arrebanhar todos os lambe botas da família Sarney, que em período pré eleitoral se enfrentam com a mão de gato para ver quem sai melhor na foto ao lado da branca.
Hábil, igual ao pai, e ciente de que todos são farinha do mesmo saco ou balaio, Roseana ouviu as cantinelas de todas as agremiações, inclusive da turma da boquinha que está vendendo apoio para participar da coligação.
Roseana foi embora com a pança cheia sem prometer nada, deixando um mal-estar na população que não entendeu o que veio fazer em Chapadinha.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

sexta-feira, 21 de maio de 2010

ORÁCULOS DA VERDADE




O filósofo alemão Emmanuel Kant não anda muito em moda. Sobretudo por ter adotado em suas obras uma linguagem hermética. Porém, num de seus brilhantes textos — “O que é o Iluminismo?” — sublinha um fenômeno que, na cultura televisual que hoje impera, se torna cada vez mais generalizado: as pessoas renunciam a pensar por si mesmas. Preferem se colocar sob proteção dos “oráculos da verdade”: a revista semanal, o telejornal, o patrão, o chefe, o pároco ou o pastor. Esses, os guardiões da verdade que, bondosamente, velam para não nos permitir incorrer em equívocos. Graças a seus alertas sabemos que as mortes de terroristas nas prisões made in USA de Bagdá e Guantánamo são apenas acidentes de percurso comparadas à morte de um preso comum, disfarçado de político, num hospital de Cuba, em decorrência de prolongada greve de fome. São eles que nos tornam palatáveis os bombardeios dos EUA no Iraque e no Afeganistão, dizimando aldeias com crianças e mulheres, e nos fazem encarar com horror a pretensão de o Irã fazer uso pacífico da energia nuclear, enquanto seu vizinho, Israel, ostenta a bomba atômica. São eles que nos induzem a repudiar o MST em sua luta por reforma agrária, enquanto o latifúndio, em nome do agronegócio, invade a Amazônia, desmata a floresta e utiliza mão de obra escrava. É isso que, na opinião de Kant, faz do público Hausvieh, “gado doméstico”, arrebanhamento, de modo que todos aceitem, resignadamente, permanecer confinados no curral, cientes do risco de caminhar sozinho. Kant aponta uma lista de oráculos da verdade: o mau governante, o militar, o professor, o sacerdote etc. Todos clamam: “Não pensem!” “Obedeçam!” “Paguem!” “Creiam!” O filósofo francês Dany-Robert Dufour sugere incluir o publicitário que, hoje, ordena ao rebanho de consumidores: “Não pensem! Gastem!” Tocqueville, autor de Da democracia na América (1840), opina em seu famoso livro que o tipo de despotismo que as nações democráticas deveriam temer é exatamente sua redução a “um rebanho de animais tímidos e industriosos”, livres da “preocupação de pensar”. O velho Marx, que anda em moda por ter previsto as crises cíclicas do capitalismo, assinalou que elas decorreriam da superprodução, o que de fato ocorreu em 1929. Mas não foi o que vimos em 2008, cujos reflexos perduram. A crise atual não derivou da maximização da exploração do trabalhador, e sim da maximização da exploração dos consumidores. “Consumo, logo existo”, eis o princípio da lógica pós-moderna. Para transformar o mundo num grande mercado, as técnicas do marketing contaram com a valiosa contribuição de Edward Bernays, duplo sobrinho estadunidense de Freud. Anna, irmã do criador da psicanálise e mãe de Bernays, era casada com o irmão de Martha, mulher de Freud. Os livros deste foram publicados pelo sobrinho nos EUA. Já em 1923, em Crystallizing Public Opinion, Bernays argumenta que governos e anunciantes são capazes de “arregimentar a mente (do público) como os militares o fazem com o corpo”. Como gado, o consumidor busca sua segurança na identificação com o rebanho, capaz de homogeneizar seu comportamento, criando padrões universais de hábitos de consumo por meio de uma propaganda libidinal que nele imprime a sensação de ter o desejo correspondido pela mercadoria adquirida. E quanto mais cedo se inicia esse adestramento ao consumismo, tanto maior a maximização do lucro. O ideal é cada criança com um televisor no próprio quarto. Para se atingir esse objetivo é preciso incrementar uma cultura do egoísmo como regra de vida. Não é por acaso que quase todas as peças publicitárias se baseiam na exacerbação de um dos sete pecados capitais. Todos eles, sem exceção, são tidos como virtudes nessa sociedade neoliberal corroída pelo afã consumista. A inveja é estimulada no anúncio da família que possui um carro melhor que o do vizinho. A avareza é o mote das cadernetas de poupança. A cobiça inspira as peças publicitárias, do último modelo de telefone celular ao tênis de grife. O orgulho é sinal de sucesso dos executivos assegurado por planos de saúde eterna. A preguiça fica por conta das confortáveis sandálias que nos fazem relaxar ao sol. A luxúria é marca registrada dos jovens esbeltos e das garotas esculturais que desfrutam vida saudável e feliz ao consumirem bebidas, cigarros, roupas e cosméticos. Enfim, a gula envenena a alimentação infantil na forma de chocolates, refrigerantes e biscoitos, induzindo a crer que sabores são prenúncios de amores. Na sociedade neoliberal, a liberdade se restringe à variedade de escolhas consumistas; a democracia, em votar nos que dispõem de recursos milionários para bancar a campanha eleitoral; a virtude, em pensar primeiro em si mesmo e encarar o semelhante como concorrente. Essa, a verdade proclamada pelos oráculos do sistema.

Por: Frei Betto
Teólogo e escritor

sexta-feira, 14 de maio de 2010

FALTA TRANSPARÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS PÚBLICOS EM CHAPADINHA




A divulgação das contas públicas é um dos princípios do artigo 37 da Constituição Federal. O município deve dar conhecimento à população sobre como administra os seus recursos. Sob a ótica, a publicidade pode ser analisada como sinônimo de moralidade.

Nos últimos anos, diversas iniciativas contribuíram para aprimorar a divulgação do orçamento dos Estados e Municípios, como a implantação da Lei de Responsabilidade Fiscal e a criação de diversos sites, como o Siga Brasil, do Senado Federal, e o Portal da Transparência, da Controladoria-Geral da União.

Em Chapadinha ainda vivemos nas trevas no que diz respeito, principalmente, à visibilidade das contas municipais. E a história veio a tona na ocasião em que as contas da Secretaria de Saúde serem desaprovadas pelos membros do Conselho Municipal de Saúde de Chapadinha.

Considerando que a transparência é a principal inimiga da corrupção, o ideal é a prefeitura, neste primeiro momento, passar a informar por meio de seu site ou internet o quanto arrecada e como gasta os recursos públicos.

No portal eletrônico da prefeitura deverão conter, entre outras informações, o orçamento previsto, a origem da receita (impostos, taxas de contribuições), os nomes das pessoas, instituições e empresas beneficiadas pelos pagamentos, o que foi comprado, os serviços prestados, as licitações, os contratos e os programas implementados. Assim, é provável que o controle social aprimore a qualidade do gasto e a própria cidadania. Mas, para que os Chapadinhenses participem efetivamente, é indispensável ampliar o acesso à informação, tal como preveem as convenções contra a corrupção das organizações da Nações Unidas.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

sexta-feira, 7 de maio de 2010

MINHA MÃE, MINHA VIDA.



Eu gostaria de ter o dom
de expressar em palavras
tudo que sinto por você.
Mas como explicar com palavras
algo que se sente tão profundo?
Cada estação da vida tem o seu perfume,
o seu encanto.
Veja os frutos das sementes que lançastes,
sua própria imagem e semelhança.
A sua luz que fez a nossa vida brilhar,
a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.
Parabéns por esse dia tão grandioso!
Essa data tão fugaz na vida da gente,
chama-se presente,
e tem a duração do instante que passa.
Por isso estamos em festa,
todos juntos
para te dizer obrigado
por você existir.
Minha mãe, minha vida.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 3 de maio de 2010

OS SANGUESSUNGAS DE CHAPADINHA E OS DESCASOS COM A SAÚDE PÚBLICA




São raros os ângulos de análise que permitem uma visão animadora do cenário e dos rumos da saúde pública de Chapadinha, enredada numa teia de deficiências, com problemas de desvios de recursos públicos e de má gestão, entre as quais se destacam as preocupantes ressalvas no relatório do Conselho Municipal de Saúde de Chapadinha, que reprovou por 10 a 8 votos as contas da Secretaria de Saúde do exercício de 2009, por ter constatado inúmeras irregularidades tais como: salários exorbitante, acima de R$ 20.000,00 (vinte mil) pago a assessores, 18.720 consultas ao ano, fora as 96.858 de emergência totalizando ll5.678 consultas, número bem acima do normal, reforma sem licitação R$ 327.645,11, alugueis sem contrato e destinação R$ 168.000,00, arrendamento hospitalar a revelia e sem a anuência do Conselho R$ 1.407.073,70 e combustível R$ 435.440,75 sem registro de placa e itinerários dos veículos que foram abastecidos.
Sem contar com o pagamento de “servidores públicos” fantasmas, as 2 toneladas de carne bovina de primeira e 1 tonelada de frango com valor superfatura ao preço de R$ 5,50 o quilo, só os valores acima descritos perfaz um total de 2.358.158,56. Isso mesmo, (dois milhões trezentos cinquenta e oito mil cento cinquenta e oito reis e cinquenta e seis centavos). Por bem menos o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda foi preso e cassado.
Tal fato não poderia ser tão trágico se não soubéssemos que as contas referente ao ano de 2008 também não foram aprovadas. Portanto, as deficiências talvez não se devam exatamente à sempre alegada falta de verbas, mas sim a um conjunto de fatores, incluindo a falta de caráter, honestidade, competência e planejamento para gastá-las bem.
Essas rábidas pinceladas traçam um quadro da saúde de Chapadinha, mas não esgotam suas nuances, pois muitas das causas têm origem em gestões passadas. Mas não se pode olhar apenas pelo retrovisor, pois é preciso mirar à frente para chegar ao destino desejado. Por isso, é mais do que hora de pensar em soluções para tirar a saúde publica de Chapadinha do estado em que se encontra.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quinta-feira, 29 de abril de 2010

PEDÓFILOS & FICHAS SUJAS




POLÍTICO CORRUPTO TEM UMA MENTE PATOLÓGICA COMO A DO PEDÓFILO

É impressionante o quanto os eleitores brasileiros se deixam engabelar, tão facilmente, pela conversa fiada com a qual os políticos os leva a perder o desconfiômetro e a não notarem o papo-furado que lhes é imposto pelos fichas sujas.
É bom aproveitarmos a discussão ora em manchete nos veículos de comunicação para lembrarmos que a pedofilia não tem cura. Toda vez que um pedófilo ganha a liberdade volta a cometer o mesmo crime. Com o político corrupto acontece a mesma coisa. O político corrupto tem uma mente patológica como a do pedófilo. Ele somente entra na política para roubar. É importante lembrarmos disso neste ano eleitoral. O político com antecedente de corrupção, se voltar a ser eleito, vai roubar novamente. Como a Câmara dos Deputados não vai deixar passar o projeto que proíbe a eleição dos fichas sujas, os eleitores deverão analisar bem o passado do candidato antes de dar seu voto. Pois, o eleitor terá ao alcance das mãos uma rede ampla e detalhada de informações sobre a vida pregressa dos candidatos a governador, senador, deputado estadual e federal. Todo esse retrato da vida do candidado ficará disponível no site do Tribunal Superior Eleitoral ( www.tse.jus.br ) e nos tribunais regionais.
Embora o movimento Ficha Limpa tenha ganhado o imaginário dos eleitores, em Chapadinha ainda existe eleitores céticos e asseclas defendendo pré-candidato sujo e enlameado.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 26 de abril de 2010

EPÍSTOLA DE UM CHAPADINHENSE




Tenho o hábito de colecionador e mania de guardar as coisas. Um dia desses, revirando meu “baú” encontrei velhas fotos em que a gente sempre vê o brilho de uma antiga alegria. Encontrei também cartas com data dos anos 80 enviadas pelo Sr. Nonato Vale, Sr. Mundiquinho Vieira, Delmar Carneiro, dona Alice Martins, Professora Zizete Cunha, Maria José Trapiá e de sua mãe Ana Rodrigues. Bateu a saudade e comecei a lê-las, algumas dando notícias de Chapadinha para que eu publicasse num pasquim periódico que editava mensalmente à época, denominado de A GAZETINHA e tive mais saudade ainda. Não sabia que vivia numa espécie de um paraíso. Mas chega a hora que, a contra gosto, a gente tem que sair de sua terrinha em busca de oportunidades e fui embora de minha querida cidade para a capital piauiense Teresina em 1974, com apenas 17 anos de idade, carregando em minha bagagem o sonho de vencer na vida e de um dia voltar para minha terra natal. Em abril de 1977 rumei para Brasília que acabava de completar os seus 17 anos. Foi um período de intensa formação política e de cidadania. Assisti ao primeiro comício de Lula em Brasília, no final da ditadura militar na Torre de TV. Participei do panelaço na campanha pelas Diretas já, da manifestação contra o pacote econômico do governo Sarney convocada pelas centrais sindicais e partidos políticos de esquerda. A polícia apareceu para dispersar os manifestantes preparada para uma grande operação de “guerra” com capacetes, fuzis, gás lacrimogênio, ocasião em que houve um grande conflito chamado posteriormente pelo governo e imprensa de badernaço. Respirei o gás lacrimogêneo que a polícia jogou na gente na praça dos três poderes. Estive no abraço coletivo debaixo da Bandeira do Brasil , em cima da cúpula do Senado, na passeata dos sem mil e outros importantes movimentos acontecidos na Capital Federal. Assisti também os primeiros show da maior banda de rock do Brasil, a Legião Urbana – Renato Russo, a irreverência do bloco de carnaval Pacotão, transformando repressão em samba, ganhando as “ruas” de Brasília pela primeira vez no carnaval de 1978. Escola de democracia igual não houve. Faz 36 anos que fui embora de minha querida cidade, mas eu continuo a amá-la fielmente, intensamente. Lembro-me dela e me dá uma vontade louca de estar aí, num daqueles fins de tarde rarefeitos, quando o pôr do sol é indecentemente lindo. Mas o pior já passou, já estou começando a arrumar minha bagagem, pois, faltam 20 meses para aposentar-me e voltar para minha terra, e a última coisa que quero fazer em Chapadinha é morrer.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

quinta-feira, 22 de abril de 2010

AS MAZELAS DE CHAPADINHA E A SAÍDA DE JOÃO DAMIANI DA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO


Prezado Herbet Lago.
Acesso seu blogue sempre que posso e vejo que é uma importante ferramenta de informações, principalmente para nós que estamos durante a semana na capital São Luis e só podemos estar em Chapadinha aos finais de semana.Não tenho quase tempo para escrever sobre as mazelas da atual administração, porque meu trabalho muito me consome, mas, doravante, dedicarei-me ao menos um dia da semana. Escrevi este pequeno texto sobre a saída de João Damiani da Secretaria de Educação. Por gentileza, se puder publicar em seu blogue, ficarei muito grato. No mais, estou a inteira disposição.Forte abraço!
Aldy Silva Saraiva JúniorVice-Presidente do PTB-Chapadinha

JÁ ERA TEMPO... (OU MELHOR, NEM DEVERIA TER SIDO!)

Como verdadeiro chapadinhense, e pelo fato de não poder estar passar a semana toda em Chapadinha, sempre acesso os blogues locais para saber o que ocorre na minha cidade. Porém, nos últimos dias, uma notícia me chamou atenção: a saída de João Damiani da secretaria de educação do município.
Damiani exerceu a pasta durante um ano e três meses. No entanto, não melhorou em nada a educação em nosso município. Talvez nem tanto por sua vontade, mas pelos próprios costumes dos prefeitos locais de nomear secretários "faz-de-conta”, ou seja, sem nenhuma autonomia para desenvolver suas funções. Para os nossos gestores, o secretariado só serve para assinar cheques.
Não conheço Damiani, mas penso que ele é uma pessoa digna e deve ter lá seus méritos. Embora os blogues digam que a saída dele tenha sido por pressão de vereadores, acredito foi por um outro motivo: NÃO ACEITOU SER SUBMISSO E COMPARTILHAR COM A SUJEIRA DA ATUAL ADMINISTRAÇÃO.
A gestão do ex-prefeito Magno Bacelar foi marcada pela presença de pessoas até então desconhecidas, pelo menos em Chapadinha: o ex-secretário Joaquim Nunes – Secretário de Obras, Noni Braga – Secretária de Educação, Lídia ex-mulher do Marco Antonio – Tesoureira, Reginaldo Marinho – Secretário de Obras, Zé do Motor – Secretário de Agricultura, Zé Dimas – encarregado de obras, ou melhor, das máquinas de Magno, Gil Lopes, Sebastião ex-cunhado de Magno – Licitações, Nonatinho Nota 10 ex-cunhado de Magno, Graça Nunes – vereadora eleita com a força do dinheiro da prefeitura, a Irmã da Graça Nunes – Chefe do CRAS da Vila Isamara, entre outros que não me recordo. Isto sem falar nos contratos de prestação de serviços na área da saúde, com enfermeiras e fisioterapeutas que são mais requisitados nos programas federais PSF/NASF e estão sendo ocupadas por pessoas de outros lugares, deixando os Chapadinhenses que já têm graduação para exercerem as atividades fora.
Pelo menos uma coisa “boa”: com a saída de Damiani, quem assume a pasta é a professora Enir Lima, que conhece a as pessoas e a realidade do nosso município. A ascensão de Enir se deu não por vontade da atual administração, mas por conveniência e circunstância do momento.
Por enquanto, torço para que Enir Lima se mantenha no cargo e faça um bom trabalho à frente da Secretária. Espero que ela tenha um mínimo de autonomia para desenvolver suas atividades e que este trabalho venha refletir de maneira positiva na qualidade do ensino de nossas crianças.

Aldy Silva Saraiva Júnior
Vice-Presidente do PTB - Chapadinha

quarta-feira, 14 de abril de 2010

CHAPADINHA: A PRINCESA DO BAIXO PARNAÍBA A QUEM ROUBARAM A COROA.




Nesta Chapadinha completamente desgovernada, prestes a uma explosão demográfica e implosão humana dos desprezados é uma questão a ser pensada.
O bairro emergente “Recanto dos Pássaros” nos dá a sensação de estar diante de algo injusto e caótico, uma torre de babel doméstica. Embora todas as ruas tenham nomes de pássaros como: rua do Beija-flor, rua do Periquito, rua da Águia, rua do Pombo, rua do Papagaio e etc, não é nenhum paraíso. Não há saneamento básico, não há coleta de lixo, não há escolas, não há água encanada, não há posto de saúde, não há também, e não é luxo, espaços para o lazer, cultura e entretenimento. Contabiliza-se inúmeras crianças doentes em estado grave devido à diarreia intensiva. Há energia elétrica insuficiente, mas paga-se exorbitante taxa de iluminação pública. Há sonhos justos e compatíveis de famílias, gerações inteiras a crescer numa mega favela sem a minima condição social e ambiental.
Será possível e admissível Chapadinha crescer e desenvolver a qualquer custo? Onde estão os projetos estaduais e federais para habitação? A tragédia ocorrida na favela do morro do Bumba, em Niterói, no Rio de Janeiro, e tantas outras já ocorridas, servem como exemplos de descasos, de direitos negados e consequências sociais de loteamentos feitos, e ainda que teimosamente geridos pelas mãos de gestores que não dão prioridade às políticas públicas, como no caso de inclusão social, e limita-se tão simplesmente a politicas assistencialistas na base de cronogramas eleitorais.
Mesmo assim, Chapadinha é a princesa do baixo parnaíba a quem roubaram a coroa.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

sexta-feira, 9 de abril de 2010

PEGA NA MENTIRA...




Os propalados lamentos da prefeita Danúbia Carneiro feito por ocasião das solenidades de comemoração dos 72 anos de Chapadinha, de não ter conseguido os recursos almejados através de convênios para pavimentação da avenida Ataliba Vieira de Almeira, e anunciar que tinha assinado ordem de serviço, pela qual deverá desembolsar dos cofres do município quase um milhão de reais é mais uma das inúmeras mentiras da prefeita de Chapadinha.
Veja abaixo dados dos recursos liberados pelo Ministério das Cidades para pavimentação de vias públicas que Chapadinha recebeu no último repasse no período de 30/03/2010 a 05/04/2010 extraídos do SIAFI, no dia 05/04/2010. Caso deseje saber o total liberado, consulte o detalhamento do convênio no Portal da Transparência www.portaldatransparencia.gov.br e outros repasses federais destinados ao município de Chapadinha.-------------------------------------------------------------------------------- Número Convênio: 612852 Objeto: PAVIMENTACAO DE VIAS URBANAS Órgão Superior: MINISTERIO DAS CIDADES Convenente: PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPADINHA Valor Total: R$987.600,00 Data da Última Liberação: 31/03/2010 Valor da Última Liberação: R$790.080,00 ------------------------------------------------------------ -------------------- Número Convênio: 613022 Objeto: PAVIMENTACAO DE VIAS PUBLICAS Órgão Superior: MINISTERIO DAS CIDADES Convenente: PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPADINHA Valor Total: R$789.800,00 Data da Última Liberação: 31/03/2010 Valor da Última Liberação: R$631.840,00 --------------------------------------------------------------------------------

quarta-feira, 7 de abril de 2010

PT - MA: LIBERDADE AINDA QUE TARDIA



Ao ler o texto de Eduardo Braga no blog www.alexandre-pinheiro.blogspot.com , sobre o encontro de definição de tática eleitoral do PT/MA, não me contive e resolvi não responder, mas tecer alguns questionamentos.
Acredito que seja a primeira vez no Maranhão que se tenta construir uma chapa mais no campo da esquerda, se “desgarrando da oligarquia Sarney e do PSDB/MA. Embora saibamos que ainda virão os adesistas para compor a chapa, pois voto e adesão em política não é desprezível. Em se tratando de eleições não podemos fazer suposições e afirmar de imediato que esse ou aquele candidato não tenha chances reais de se eleger. Quantas vezes as pesquisas de opinião pública (que geralmente são tendenciosas) não foram contrariadas? Quando Geraldo Magela (PT/DF) disputou o governo do Distrito Federal em 2002 contra Joaquim Roriz (PMDB/DF) ele começou com 3% das intenções de votos, enquanto que Roriz estava com seus 45% das intensões de votos, com previsão de ser eleito em primeiro turno e ao final Magela ganhou de Roriz no primeiro turno, levando as eleições para o segundo turno.
Geralmente, é papel da direita ou das oligarquias quando perde a eleição cobrar de seu sucessor eficiência e induzir a opinião pública através dos seus meios de comunicação. Mas como cobrar “eficiência” e agilidade em menos de 24 meses de um governo que recebe um Estado que há 40 anos vem sendo sucateado por essa oligarquia?
Rachar o palanque da Dilma? E usar como pretexto palanque único só no Maranhão? E os outros Estados? Como seria bom se Dilma tivesse dois ou mais palanques em todos os Estados!.
A política meu caro é que nem nuvem e por traz dela, é claro, existem interesses. Isso não significa que a politica não tenha compromissos com os projetos nacionais, com os do Lula ou com os do partido dos trabalhadores.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 5 de abril de 2010

"A PARTILHA DOS PEIXES"



"PAI NOSSO" E "PÃO NOSSO"

A palavra companheiro significa compartir o pão, e comunhão vem da mesma raiz que a palavra comunicar. Se comungo as mesmas ideias de uma pessoa é porque ela diz o que penso, exprime o que sinto e tenho profunda afinidade.
No capítulo 25, 31 – 44 de Mateus, Jesus enfatiza que a salvação se sujeita ao serviço libertador aos excluído, com quem ele se identifica. E na partilha dos pães e peixes, episódio conhecido como “multiplicação dos pães”, Jesus ressalta a socialização dos bens da vida como sinal da presença libertadora de Deus.
No entanto, há milhões de pessoas que, ainda hoje, não têm acesso à comida. O maior escândalo deste inicio de século e de milênio é a existência de pelo menos 1 bilhão de famintos entre os 6,5 bilhões de habitantes da terra. Só no Brasil, 30 milhões estão excluídos dos bens essenciais à vida. E inúmeras pessoas trabalham de sol a sol para assegurar o pão de cada dia. Em toda a América Latina morrem de fome, a cada ano, cerca de 1 milhão de crianças com menos de 5 anos de idade.
A fome mata mais que a Aids. No entanto, a Aids mobiliza campanhas milionárias e pesquisas científicas caríssimas. Por que não há o mesmo empenho no combate à fome? Por uma simples razão: a Aids não faz distinção de classe social, contamina pobres e ricos. A fome, porém, só afeta os pobres.
Hoje, o pão é injustamente distribuído entre a população mundial. Basta dizer que 80% dos bens industrializados produzidos no mundo são absorvido por apenas 20% de sua população. Ou seja, se toda a riqueza da terra fosse um bolo dividido em 100 fatias, 1 bilhão e 600 milhões de pessoas ficariam com 80 fatias. E as 20 fatias restantes teriam de ser repartidas para matar a fome de 4 bilhões e 900 milhões. Basta dizer que apenas quatro homens, todos dos EUA, possuem uma fortuna pessoal superior à riqueza somada de 42 nações subdesenvolvidas, que abrigam cerca de 600 milhões de pessoas.
Não posso chamar Deus de “Pai” e de “nosso” se quero que o pão (os bens da vida) seja só meu.
Herbert Lago Castelo Branco
Extraído do texto COMUNGAR de Frei Beto.

terça-feira, 30 de março de 2010

PT DO MARANHÃO NÃO TEM DONO: AGORA É DINO GOVERNADOR.




No último sábado dia 27 de março o PT do maranhão travou a sua maior disputa interna, contrariando a decisão do 4º Congresso Nacional e até mesmo o desejo de Roseana, que mostrava para o presidente Lula que tinha domínio sobre o PT do Maranhão.
Dando uma clara demonstração de que o PT não tem dono, 87 bravos companheiros petistas de verdade, em convenção estadual realizada no sábado passado, decidiram fazer alianças com o PC do B, apoiando a candidatura do Deputado Federal Flávio Dino ao governo do Estado, derrotando os pretenciosos petistas sarneyzistas.
A governadora tem consciência de que o prejuízo foi muito grande, pois ela sabe muito bem o quanto é importante o apoio do PT do Maranhão para liquidar as eleições logo no primeiro turno.
Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor

segunda-feira, 29 de março de 2010

COMENTÁRIOS DO LEITOR


ligia disse...

Meu camarada Lago.

Só tenho a lamentar por esse povo cheio de historias, lutas e conquistas. Infelizmente a realidade é essa. Uma cidade engolida por sua própria desgraça, uma politica sem qualquer respeito, uma falta de vergonha total, nem sequer os pais, a família e os que acreditaram nela tem força pra desmentir aquilo que todos sabem, "eita mulherzinha safada e mentirosa". Quando a excelentíssima prefeita diz está em Brasília com o "Mágico" Bacelar atras de recursos para melhorar a qualidade de vida do chapadinhense, na verdade estão curtindo e se escondendo em uma das Fazendas do "magico". Para manter e comprar tais fazendas, haja dinheiro. Uma delas fica em Barra do Corda, essa todos conhecem, mas tem outra em Arame e uma outra adquirida recentemente no estado do Pará, exatamente na cidade de Redenção, valor 6 milhões de reais. Caros amigos da Chapada, o negocio é tão grande que para administrar tanto patrimônio, o encarregado das mesmas é o Pedro Alves, o filho do atual prefeito de Canaã dos Carajás, também enrolado Anuar Alves. Brevemente teremos mais informações, fotos, imagens e ate depoimentos de muitos podres dessa dupla de "artistas". A Danada e Magico. continua no próximo capitulo.

segunda-feira, 22 de março de 2010

UMA PROSA PARA OS CHAPADINHENSES




CHAPADINHA: 72 ANOS – FELIZ ANIVERSÁRIO!

No dia 29 de março, ocasião em que Chapadinha completa os seus 72 anos de emancipação, pode vir a aparecer (claro que para uma obrigação qualquer) um sanguessuga da cidade, com a famosa cara sorridente e mais pateticamente deslavada, manifestar-se pelo aniversário desta terra tão querida, falando “mil abobrinhas mal decoradas”.
A gente conversa com as pessoas pelas ruas da cidade e sente que as pessoas estão insatisfeitas não só pela incompetência das sucessivas administrações e pelos descasos que os “nossos” atuais governantes estão tendo para com a nossa cidade, mas pela falta de politicas públicas, pela buraqueira, pela falta de uma saúde pública de qualidade, pela falta de atenção às causas sociais, e sobretudo, pela falta de auto-estima do povo de Chapadinha; que vê a cada dia sua cidade abarrotada de problemas de urbanização, falta de saneamento básico, segurança, educação, saúde e tantos outros, muito comuns aos aglomerados urbanos habitados por populações de baixa renda que se expandem com sérias deficiências de planejamento e ação do poder público.
Não custa repetir e não me cansarei de fazê-lo: o Chapadinhense não pode mais viver ilhado em suas fantasias. Tem que descobrir que, ao contrário do que muita gente pensa, a periferia da cidade é habitada por pessoas que têm sua própria vida cultural e econômica, que não dependem das asas do poder para usufruir de um modo bem feliz de viver nesta cidade.
Quem sabe um dia, que não seja uma utopia e nem saudosismo, nós, Chapadinhenses, que amamos esta terra e o seu povo, nos pautaremos na coragem e boa vontade, típicas do povo desta terra de Deus, como sempre chamo, que supera todas e quaisquer adversidades que possam atrapalhar seu desenvolvimento, para que Chapadinha tenha educação, saúde de qualidade, infraestrutura, geração de emprego e renda para que as pessoas tenham uma melhor qualidade de vida. Porque o correto, ainda que mais difícil e mais demorado, está exatamente em exigir da classe política chapadinhense que assuma, de fato e de direito, as rédeas de seu efetivo poder de representação popular, que busque, – e há de encontrá-las! - As soluções que entenda necessárias e capazes de abolir os descasos e os sucessivos desgovernos.
O poder – sempre vale a pena ressaltar - emana do povo e em seu nome será exercido.

Herbert Lago Castelo Branco
Poeta e Escritor