Contato

herbertlagocastelobranco@gmail.com
Facebook Herbert Lago

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

OBRAS INACABADAS

PODERIA ESTAR SERVINDO UMA JUVENTUDE ETERNAMENTE EXPOSTA AO DESEMPREGO ÀS DROGAS E A AUSÊNCIA DE LAZER.

Muito oportuna a ideia do abraço no Ginásio de Esportes de Chapadinha. A velha mania dos governantes de ignorar a continuidade de obras de gestões anteriores prejudica não a eles, os representantes do poder, mas à própria população – essa cobiçada comunidade de eleitores que se vê refém, passadas as eleições, de privações que se repetem a cada período eleitoral, a cada ano, enquanto o resultado das promessas de campanha é varrido para debaixo do tapete do esquecimento e do descaso.
Em Chapadinha, o processo é o mesmo. O prefeito que assume chuta para o alto as obras do antecessor. Não importa se úteis ou de fachada, obras mal ou bem planejadas, que melhorem ou piorem a vida das pessoas. Um exemplo é o projeto de Ginásio de Esportes. Evidente e irônica prova de que as ruínas não necessariamente exibem o aspecto da destruição e os efeitos deletérios do tempo. Ele pode representar o novo, no sentido do inacabado, do esquecido, da mera exibição de um objeto que não representa mais do que a intenção de um gesto, que poderia estar servindo uma juventude eternamente exposta ao desemprego, às drogas e à ausência de lazer – houvessem sido construído pelo próprio governante que o relegou a segundo plano, ele poderia estar servindo à comunidade.
Foto: Blog do Alexandre Pinheiro

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

O TEATRO MUNICIPAL




VOTO CONSCIENTE


Como em Chapadinha não tem teatro, nos últimos dias o Chapadinhense tem visto a Câmara Municipal como um palco de picadeiro. Nas sessões tem muita molecagem e palhaçadas para todos os gostos.
Nós que residimos e gostamos desta cidade e temos garantido pela Constituição o direito de escolher nossos parlamentares e governantes, estamos esquecendo de colocar em uso na época das eleições o essencial: nossos valores e nossa sabedoria. Com isso, estamos elegendo políticos que não têm projetos e nem compromissos com o povo, permitindo que entre tanto no executivo como no legislativo a troca de favores, a corrupção, a pedofilia, a exploração sexual de menores, os crimes hediondos, enfim, a desonestidade praticada por eles. A nossa resposta a essa indecência é o voto. Façam bom uso dele, digam não a essa palhaçada descompromissada - sejam de esquerda, de direita ou de centro. Vote certo, vote pelo futuro de Chapadinha, dos nossos filhos e netos.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

COMO NAS GRANDES CIDADES, CHAPADINHA TAMBÉM JÁ ENFRENTA PROBLEMAS LIGADOS À ATUAÇÃO DO PODER PÚBLICO.




Chapadinha já foi chamada de “Princesa do Baixo Parnaíba”. Cidade acolhedora e humana, possibilitadora de encontros e boas conversas, construção de amizades fraternas e duradouras.
Os tempos mudaram. A jovem e hospitaleira Chapada das Mulatas cresceu, madurou, está expandindo suas fronteiras, novos bairros, aglomerados, vilas, favelas. Os carros e motos foram se impondo na esteira do progresso econômico e material, facilitando a vida de muitas pessoas. Melhorando de um lado, mas criando dificuldades no outro. Os espaços públicos estão diminuindo, os carros começam a ditar o ritmo da vida.
Como nas grandes cidades, Chapadinha também já enfrenta problemas ligados à atuação do poder público, especialmente na esfera municipal. A urbanização está trazendo profundas modificações na vida dos Chapadinhenses. É natural. Morar na cidade é muito diferente de morar no campo. Habitação, trabalho, transporte, consumo, educação e saúde ganham novos paradigmas. A alimentação não foge à regra. Cresce a variedade, mas a qualidade deixa a desejar.
Há uma responsabilidade que é dos governantes. Começa pela valorização e cuidado com o espaço público e a boa manutenção das avenidas, ruas e praças, pois para que possamos transitar bem bela cidade carecemos também desses espaços que preservam a redução do ritmo. Pede das forças públicas a sua presença em forma de instrumentos de fiscalização e segurança; a punição dos motoristas que descumprem as normas estabelecidas.
Mas a consciência das pessoas é fundamental. Torna-se imperativo ético, o compromisso com a vida e o bem comum, para que os Chapadinhenses possam viver com dignidade e em paz nesta cidade que nasceu para aproximar as pessoas.


Foto: Blog do William Fernandes

terça-feira, 1 de novembro de 2011

NOS MÊSES DE ESTIAGEM CHAPADINHA VIVE EM SITUAÇÃO AINDA PIOR DE "ESTRESSE HÍDRICO".


Nos últimos anos, pequenas e médias propriedades da região leste maranhense vêm sendo incorporadas às grandes fazendas de produção de soja sem que haja a necessária fiscalização dos órgãos responsáveis pela preservação do meio ambiente.
Com a instalação de uma fábrica da Suzano para plantação de eucaliptos para produção de celulose ou pellets em pouco tempo os mananciais de água que servem à população de Chapadinha poderão estar esgotados. A situação de abastecimento de água em Chapadinha já chegou a um ponto crítico. Nos meses de estiagem Chapadinha vive em situação ainda pior de “estresse hídrico”.
A disponibilidade de água na Chapada das Mulatas é bem inferior ao recomendado pela ONU e da Unesco, que é de 1.750 metros cúbicos de água bruta por habitante/ano, a nossa realidade já pode ser considerada preocupante.