Contato

herbertlagocastelobranco@gmail.com
Facebook Herbert Lago

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

O TERRORISMO VIRTUAL E O VALE TUDO DA BLOGOSFERA CHAPADINHENSE





A internet é uma teia sedutora, é verdade. Pode ser usada de várias formas, a serviço de qualquer proposito. Mas será que um dia conseguiremos limitar tal poder? Ou será que os efeitos nocivos só poderão ser neutralizados com os benefícios da tecnologia?
Já estamos cientes das facilidades e dos estragos imensuráveis que a rede mundial pode trazer, mas acredito que tudo isso ainda é muito pouco diante do que estar por vir.
Ao longo dos últimos meses, tivemos motivos suficientes pra imaginar que a importância da internet ainda é subdimensionada. Um exemplo: em Chapadinha o terrorismo virtual anda insuportável (corrente de e-mail's, fórum de debates no facebook e a proliferação dos blog's) com comentário e matérias ofensivas a políticos, blogueiros, pastor, padre e futuros candidatos, levou o debate para uma espantosa discussão dogmática e sem propósito. Pedofilia, homo-sexualismo, enriquecimento ilícito, uso de laranjas, desvio de recursos públicos, blogueiros vendidos e outros temas polêmicos e relevantes, não há dúvida, mas não sob o enfoque com que está se disseminando na internet. Tal como vírus, a ruidosa e antecipada campanha eleitoral virtual é perigosa a ponto de comprometer a legitimidade das escolhas. É preciso distinguir a verdade da leviandade, a opinião da informação deturpada. Pode ocorrer o paradoxo, por exemplo, de a mídia de Chapadinha expor mais intensamente pautas de escândalos públicos ou da vida privada das pessoas, gerando a impressão de que eles aumentaram, quando, na realidade, pode ter aumentado mesmo. A competição entre os veículos de comunicação de Chapadinha e os interesses econômicos e políticos subjacentes gera em contrapartida o vale tudo da blogosfera.
Sem dúvida, não há como negar o imenso avanço de um planeta conectado, mas também não se pode esquecer de que um mal disseminado também pode ter alcance e prejuízo inimagináveis.

Nenhum comentário: